Adeus, Hayabusa

Suzuki decreta o fim da atual geração de icônica moto no mercado europeu

Por O Dia

Suzuki Hayabusa GSX 1300R -

A Suzuki Hayabusa está com os dias contados. Fora dos padrões de eficiência energética determinados pelo acordo Euro 4, o modelo icônico da marca japonesa vai parar de ser fabricado na Europa. Mas a ausência pode ser breve. Rumores sugerem que uma nova geração chegará em 2019, quando a supermoto completará 20 anos.

Na década de 1990, a GSX 1300R Hayabusa foi uma das primeiras motos a participar do seleto grupo de modelos que superaram a casa dos 300 km/h. Tudo graças ao seu poderoso motor de 1299 cc, capaz de gerar 178 cv.

Apesar de agradar aos entusiastas da velocidade, a marca recebeu críticas na época por ter lançado um modelo destinado às ruas tão potente. As reclamações chegaram a forçar um acordo entre as montadoras alguns anos depois. O tratado impedia o lançamento de modelos com velocidade superior a 299 km/h.

A atual geração, que será interrompida, utiliza um propulsor com 1.340 cilindradas e 197 cavalos. Mas o motor do modelo que pode pintar no ano que vem deve ser mais potente, com 1.440 cc motor já utilizado em outras motos da Suzuki. Além disso, o chassi também pode ser atualizado para deixar a moto mais resistente.

Itens de última tecnologia, como suspensões semi-ativas, ABS de curva, acelerador eletrônico e freios Brembo, também devem fazer parte das mudanças, assim como o design da motocicleta.

Desinteresse

De acordo com a regulamentação do acordo climático Euro 4, a Suzuki teve quatro anos para atualizar a Hayabusa e evitar que ela estivesse fora dos padrões de emissão de gases poluentes. No entanto, a atual linha continua sendo vendida no Brasil, com preço de R$ 65 mil.

Galeria de Fotos

Suzuki Hayabusa GSX 1300R divulgação
Suzuki Hayabusa GSX 1300R divulgação
Atual geração utiliza motor de 1.340 cc, capaz de gerar 197 cavalos de potência fotos Divulgação

Comentários

Últimas de Automania