Por trás das câmeras

Por Leandro Mazzini

Líder nas pesquisas de intenção de votos - e pode surgir hoje com forte índice dos votos válidos para a Presidência da República - Jair Bolsonaro (PSL) soube usar a onda a seu favor nos bastidores midiáticos. Em agosto reuniu-se com João Roberto Marinho, um dos donos do Grupo Globo, maior de mídia do país, levado pelo economista chefe de seu programa de governo, Paulo Guedes. E há uma semana ganhou o apoio de Edir Macedo, dono da Record TV e um dos controladores do PRB, partido que debandou do apoio a Geraldo Alckmin (PSDB) para o candidato ao PSL ainda no primeiro turno. Em suma, Bolsonaro está 'fechado' com as duas principais emissoras de TV do Brasil.

Então...

...é conversa fiada história de que Bolsonaro, se eleito, vai cassar concessão de TV da Globo, ou vai cortar verbas de publicidade para a grande mídia. Pode é rever valores.

O articulador

Não houve encontro de Bolsonaro com Macedo, nem telefonema. Quem aproximou o PRB e o 'Cardeal' do candidato foi o chefe da campanha, Onyx Lorenzoni (DEM).

Isolado

O PT está isolado, com PCdoB e PROS, num eventual segundo turno a partir de amanhã. O Centrão e outros partidos liberaram seus congressistas para pedir votos para Bolsonaro.

Dos inativos...

Um dado curioso na última sondagem da Paraná Pesquisa chamou a atenção para a subida de Bolsonaro entre os mais pobres - e deixou o PT desesperado. O candidato do PSL conquista o eleitor antes petista: No perfil 'Não PEA', dos desempregados, Bolsonaro tem preferência de 31,4%, e Fernando Haddad (PT), de 22,4%.

...e ativos

Entre os entrevistados empregados ou autônomos, os "PEA - Economicamente ativos", Bolsonaro tem 36,7% e Haddad surge com 21,5%.

Internas petistas

A campanha do candidato do PT à Presidência intensificou, nos últimos dias, a encomenda de pesquisas para uso interno. Sinal de preocupação com as sondagens que mostram o crescimento do concorrente direto. O gasto do PT com pesquisas chegou a R$ 1,3 milhão - só perde para a produção de programas de TV, com R$ 2,1 milhões.

Dossiê do assalto

Dados da Secretaria Nacional do Consumidor apontam que houve mais de 29 mil reclamações de consumidores contra planos de saúde em 2017. Idealizadora da CPI, a senadora Lídice da Mata (PSB-BA) lembra que, em 2016, a inflação medida pelo IPCA foi de 6,28%: "Entretanto, a ANS autorizou um aumento de 13,57%. E em 2017, para uma inflação de 2,9% pelo IPCA, a ANS autorizou um aumento de 13,55%".

Comum acordo

Desde a entrada em vigor da Reforma Trabalhista, as demissões por comum acordo entre patrão e trabalhador saltaram de 855, em novembro de 2017, para mais de 15 mil, em agosto, conforme o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do MTE.

Radiografia

Vendedores de comércio e varejistas, auxiliares de escritório, assistentes administrativos, vigilantes e faxineiros foram as ocupações com maior registro de desligamento mediante comum acordo no período. O Estado de São Paulo lidera.

Cocriação imobiliária

O mercado imobiliário carioca deu novo sinal de recuperação no fim de semana passado. A Tegra vendeu em dois dias, no lançamento, 40% de um empreendimento no Méier. A 'cocriação' do projeto com demanda dos compradores ajudou. O condomínio terá, por exemplo, espaço para entrega de compras.

Mesa preparada

No Distrito Federal e no Paraná, a bebida alcoólica está liberada hoje, ao contrário de outros estados em que prevalece a Lei Seca para o dia da eleição. Alexandre Sampaio, presidente da Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação, revela que alguns sindicatos de hotéis, bares e restaurantes consultaram sobre como pedir autorização à Justiça Estadual. O Jurídico da FBHA tem auxiliado.

Impulso 2018

Em parceria, o Instituto Ekloos, a Secretaria de Cultura do Rio e a OI Futuro selecionaram 20 projetos voltados para a 'transformação da sociedade' Entre os aprovados está o Pré-Vestibular Marielle Franco, um curso comunitário com oficinas.

 

Plano$

Eunício Oliveira - Marcos Brandão/Senado Federal

Senadores vão cobrar do presidente Eunício Oliveira (MDB-CE) a instalação da CPI para investigar os planos de saúde. Vinte e sete parlamentares assinaram o requerimento para a abertura da comissão, já lido em plenário. Os alvos da CPI serão os reajustes dos planos acima da inflação com o consentimento da Agência Nacional de Saúde Suplementar - que parece um braço das operadoras, em vez de fiscalizar.

Comentários