Clima de guerra nas eleições deste ano

O Tribunal Superior Eleitoral já autorizou, até o momento, o envio de militares para 497 localidades, número que tende a aumentar

Por Leandro Mazzini

Brasília - O aumento expressivo do apoio de forças federais na segurança dos estados reflete o clima de beligerância nas eleições deste ano. No primeiro turno do pleito de 2014, as tropas federais atuaram em 279 cidades. Para amanhã, o Tribunal Superior Eleitoral já autorizou, até o momento, o envio de militares para 497 localidades, número que tende a aumentar.

O estado que pediu mais apoio foi o Piauí - onde as tropas irão atuar em 122 cidades -, seguido de Rio Grande do Norte (97), Maranhão (72), Rio de Janeiro (69), Pará (60), Amazonas (26), Mato Grosso (19), Tocantins (12), Acre (11), Ceará (5) e Mato Grosso do Sul (4).

Nas municipais

Em 2016, no primeiro turno, as tropas federais atuaram em 315 municípios de 13 estados.

Cadê?

Campanha nas ruas, debates na TV e rádios, mas você viu os presidenciáveis falarem de proposta para incentivo ao esporte e inclusão social pelo esporte? Nós não.

Patriotismo

Domingo é o dia da maior festa da democracia brasileira. Exerça o seu direito. E respeite o outro, independentemente da cor do partido ou bandeira ideológica.

Homem do campo

Principal articulador da formalização do apoio da Frente Parlamentar da Agropecuária ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), o presidente da União Democrática Ruralista, Luiz Antonio Nabhan Garcia, ampliou sua cotação para chefiar ou emplacar um indicado no comando do Ministério da Agricultura no eventual governo do ex-capitão.

Ruralistas

Nabhan Garcia, um dos principais conselheiros da campanha de Bolsonaro, é defensor de uma "reforma agrária organizada", sob controle de um órgão sem vínculo "ideológico ou político". Avalia que a reforma feita nos últimos anos apenas jogou dinheiro fora e transformou a área rural em "uma grande favela".

ZapFake

O comando da campanha do petista Fernando Haddad atribui às chamadas fake news o crescimento que chamam de "inesperado" do adversário Bolsonaro nas últimas pesquisas. Para conter a propagação de notícias falsas, o partido disseminou dezenas de contatos de WhatsApp em todo o País para denúncias de militantes.

Lula 'na linha'

Tem até o "Zap do Lula", com número de São Paulo, que traz a mensagem: "Lula e Haddad precisam de você: denuncie boatos e mentiras".

Alerta de dentro

Presidente da Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho (ANPT), ngelo Fabiano Farias da Costa afirma que o país vive "uma crise desconstituinte" ao pontuar que Ministério Público do Trabalho passa por momentos difíceis, "inclusive no que diz respeito à atuação na esfera trabalhista, cujos direitos estão sendo esvaziados".

Memória

O PDT, do presidenciável Ciro Gomes, e o deputado Jair Bolsonaro (PSL) integraram o movimento na Câmara que culminou na aprovação, com folga, da punição para juízes e membros do Ministério Público Federal por abuso de autoridade. Foi em 2016 durante a discussão do pacote anticorrupção composto por medidas propostas pelo MPF.

Orbitando

Um caso simples reflete a crise no Correios, assaltado pelo PT e PTB nos últimos anos. Não chegou até hoje uma carta com AR enviada sábado passado de uma agência no Plano Piloto de Brasília para a cidade satélite de Brazlândia, a apenas 40km da capital.

Custo Brasil

Pelo rastreamento, o portal dos Correios informa que houve 'mal encaminhamento' da carta. O remetente pagou R$ 12 para o envio. Gastaria menos que isso de gasolina para ir e voltar ao local do destinatário para entregar a carta.

Boteco em Vegas

Morador de Las Vegas há 20 anos, o empresário carioca Marcus Fortunato abriu o Boteco na capital dos jogos, que fez grande sucesso no verão americano e virou point de turistas. Uma turma de brasileiros baixa lá esta semana, durante a Global Gaming Expo - G2E. Fortunato tem uma empresa que fabrica software para máquinas de jogos.

Pista jurídica

Em sentenças recentes, a 99 POP se livrou de processos contra motoristas que tentaram na Justiça vínculos empregatícios contra o app que envolve motoristas com veículos próprios. Os juízes Luiz Gonçalves, da 37ª Vara do Trabalho de BH, e Patricia Seller, da 2ª Vara do Trabalho de Mauá (SP) acolheram os argumentos da empresa quanto à liberdade de escolha dos motoristas na utilização do aplicativo

 

Comentários