Confira quais praias estão próprias para banho

Em 2018, 26% das praias ficaram impróprias para banho. Análises semanais detectam condições da água

Por ANGÉLICA FERNANDES

Praia da Urca estava imprópria desde 2015, mas há três anos passou a ter índice de balneabilidade satisfatório e foi liberada para banhistas
Praia da Urca estava imprópria desde 2015, mas há três anos passou a ter índice de balneabilidade satisfatório e foi liberada para banhistas -

Rio - Num momento em que uma das regiões mais belas do Rio, apelidada de Caribe Brasileiro, teve suas praias contaminadas por vazamento de esgoto, ficando imprópria para banho, muito tem se falado sobre a balneabilidade. O que aconteceu em Arraial do Cabo, na Região dos Lagos, de praias serem vetadas a banhistas, é a realidade de várias outras do estado. No ano passado, das 211 praias diagnosticadas pelo Inea, 31 foram qualificadas com a média 'péssima' e 22 apresentaram água de 'má' qualidade.

A avaliação do Inea, que fica disponível no site www.inea.rj.gov.br, consiste em coleta de amostras d'água em quase 300 pontos do litoral para análise nos laboratórios do instituto. A coleta é feita onde o nível médio da água é de um metro, mesma profundidade dos trechos em que a maioria dos banhistas se concentra.

É considerada própria para banho quando quatro ou mais resultados das cinco últimas análises apresentarem número de bactérias inferiores ou iguais a 1.000 NMP/100 ml de coliformes fecais ou a 100 NMP/100 ml de enterococos (NMP= número mais provável de bactérias por cada 100 ml de água). Já quando dois ou mais dos cinco últimos resultados são superiores a esses índices, ou quando o último resultado é maior que 2.500 NMP/100 ml de coliformes ou 400 NMP/100 ml de enterococos, a praia está imprópria para banho.

De acordo com o Inea, dentre os diversos fatores que podem afetar na balneabilidade, pode-se destacar: a localização geográfica (praias no interior de baías e praias oceânicas); incidência de chuvas e a proximidade com o deságue de rios e canais, além de galerias pluviais. O instituto alerta que o banho de mar deve ser evitado nas primeiras horas após a ocorrência de chuvas.

Das 20 praias das zonas Oeste e Sul, oito ficaram impróprias para banho pelo menos uma vez durante o mês passado, entre elas a de Botafogo e do Flamengo.

Mas em toda orla da cidade do Rio, a Urca é o exemplo que deu certo. Desde 2015 a praia era classificada como imprópria, mas há três anos ela passou a ter índice de balneabilidade satisfatório. Essa melhoria, segundo o Inea, se deve, provavelmente, às intervenções realizadas tanto pela Cedae e prefeitura.

App divulga balneabilidade

Para guiar os banhistas sobre onde pode ou não o mergulho, o aplicativo 'Partiu Praia', do Inea, reúne as condições de balneabilidade de toda orla do estado através de um mapa. A classificação de própria e imprópria é feita por bandeiras das cores verde e vermelha.

O app detalha ainda as condições do clima e fornece a localização das praias, com direito a uma rota de onde o usuário se encontra. A atualização do aplicativo é semanal.

Encontrando a praia certa, o banhista também precisa fazer sua parte para ajudar a manter a qualidade das areias e da água. São quatro passos para isso: recolher o lixo que produzir; checar se produtos utilizados na pele e nos cabelos oferecem danos à vida marinha, por isso, o recomendável é preferir produtos biodegradáveis e não tóxicos; se for pescar, usar anzol sem farpa, e não levar cachorro e outros pets para areia. O passeio deles é proibido por lei estadual, pois a urina e fezes, além de poluir, pode transmitir doenças.

Comentários