Mosquito pousa firme no quintal carioca

Artista mostra dom para compor e cantar samba em álbum que tem participação de Zeca Pagodinho

Por O Dia

Rio - Pedro Assad Medeiros Torres é o nome dele na certidão de nascimento. Mas, nas rodas de samba, todos o conhecem como Mosquito, sobretudo na Ilha do Governador, bairro natal deste artista carioca que ora lança seu primeiro álbum pela gravadora Sony Muic.

‘Mosquito’, o disco, revela artista talentoso, com dom para compor e cantar samba. Mas não o samba pop que domina as paradas do gênero. O samba de Mosquito descende da linhagem nobre da turma projetada na década de 1980 na quadra do Cacique de Ramos. Basta ouvir o partido alto ‘Vou ver Juliana’ (Mosquito e Tinho Brito) e ‘Ô sorte’ (Mosquito, Tinho Brito e Márcio Claro) — samba propagado na trilha sonora da novela ‘Babilônia’ — para identificar a boa procedência do samba de Mosquito.

Autor e intérprete de ‘Ô sorte’%2C samba da trilha da novela ‘Babilônia’%2C Mosquito lança CD que lembra discos da turma do Cacique de RamosDivulgação

A evocação da figura de Zeca Pagodinho é inevitável. Inclusive pelo jeito franzino de Mosquito. Pois Zeca não somente admira Mosquito como avaliza o álbum produzido por Max Pierre, participando do samba ‘Atalho’ (Jorge Aragão, Cleber Augusto e Djalma Falcão), lançado em 2001 pelo grupo Fundo de Quintal.

O repertório do disco de Mosquito é essencialmente autoral e inédito. Mas, além de ‘Atalho’, o cantor regrava ‘Não enche’, música de Caetano Veloso, lançada pelo autor em 1997 com a batida do samba-reggae e revivida por Mosquito em clima de pagode em registro sedutor.

Como compositor, Mosquito apresenta sambas como ‘Só por hoje’ (de tom magoado) e ‘O dono da favela’ (cuja letra narra a história trágica de menino aliciado pela vida do crime). Como intérprete, o cantor dá voz a sambas como ‘O amor mandou dizer’, gravado com Xande de Pilares, parceiro de Gilson Bernini neste tema positivista.

Enfim, com jeito de bamba, Mosquito pousa com firmeza no quintal carioca.

Últimas de Diversão