'Ainda sonho em mostrar meu trabalho no Grupo Especial', revela Igor Vianna

Intérprete da Unidos de Bangu comenta trajetória no Carnaval e exalta legado deixado pelo pai, o lendário Ney Vianna

Por O Dia

Rio - Igor Vianna tem 34 anos de idade e 20 de ação dentro do Carnaval. Hoje, o intérprete é a voz principal da Unidos de Bangu e apoio de Daniel Silva no Paraíso do Tuiuti, mas a correria do samba fala mais alto na rotina do cantor. Presente também no Carnaval de Campos e Guaratinguetá, Igor convive com um dia a dia intenso, mas não abre mão de seguir a batalha pela realização de um grande sonho. Nem mesmo as dificuldades do mundo do samba vão fazer o cantor abrir mão do desejo de ser a voz principal numa escola do Grupo Especial.

"Meu sonho é conseguir alcançar o que todo cantor de samba-enredo tem em mente, que é chegar ao grande palco. Quero muito ter essa oportunidade de atuar no desfile principal. Quero mostrar minha voz, meu trabalho. Ainda vou estar presente no desfile do Grupo Especial, seja pela minha escola do coração, ou alguma outra co-irmã", disse Igor, que revelou a paixão pela Mocidade Independente de Padre Miguel.

"Frequentei a Mocidade por muito tempo. Acabei me afastando um pouco quando vi que a antiga diretoria não tinha planos profissionais comigo, mas sempre será a minha escola do coração. Posso dizer que minha vida no Carnaval é a Mocidade Independente de Padre Miguel. Nunca desfilei no carro de som da escola, mas sei que esse dia ainda pode chegar", comentou.

Igor Vianna mira sonho de chegar ao Grupo EspecialRicardo Almeida / Divulgação

Um dos grandes motivos da paixão pela Mocidade também tem relação com seu pai. Ney Vianna fez história na Mocidade. O cantor defendeu o emblemático samba da escola em 1985, com o enredo "Ziriguidum". Igor viu seu pai falecer quando tinha apenas dez anos de idade, mas garante que guardou um grande aprendizado no tempo que esteve ao lado de seu grande ídolo.

"Guardo muitas lembranças. Lembro que meu pai não queria que os filhos dele estivessem envolvidos com o mundo do samba, mas ele viu que eu queria muito seguir essa vida. Era mais forte do que o próprio desejo dele. Ele acabou abraçando esse meu desejo e me ensinou muita coisa, mesmo nesse pouco tempo. Uma das coisas que guardo é de como ele me mostrou a respeitar um pavilhão. Ele me deixou um grande legado", relembrou Igor.

Se hoje a presença de Igor na Série A do Carnaval será apenas como apoio de Daniel Silva, no Tuiuti, o desfile de 2013 marcou a passagem do cantor como intérprete oficial da Porto da Pedra. Mesmo defendendo a escola de São Gonçalo por apenas um ano, o cantor guarda boas lembranças, principalmente a parceria com o amigo Thiago Diogo.

"A Porto da Pedra foi um presente que ganhei do meu amigo Thiago Diogo. Ele ainda estava como mestre lá e foi o principal responsável pelo meu acerto na escola. Digo que este foi um ciclo que foi feito só para o Carnaval do ano passado, mas que me deixou boas marcas. Criei um elo muito bom com todos os integrantes da agremiação e sei que fizemos um grande trabalho", disse Igor, que ressaltou a importância da amizade com o atual mestre da União da Ilha.

Igor é o intérprete da Unidos de Banguarquivo pessoal

"O Thiago é um super irmão. Temos mais ou menos a mesma faixa de idade e ele sempre me deu muitos conselhos no Carnaval. Brinco que sempre que não consigo falar com o mestre Adamastor, em São Paulo, vou atrás do Thiago. Eles são os meus gurus nesse mundo do samba", revelou.

Se a amizade com mestre Adamastor, da X-9 Paulistana, é sempre exaltada por Igor, sua passagem pelo Carnaval de São Paulo também deixou boas lembranças. O intérprete defendeu as escolas Tucuruvi e Camisa Verde e Branco, mas foi na primeira que ele guardou o momento mais especial da carreira.

"Hoje tenho 20 anos nessa vida de cantor de samba-enredo, mas te garanto que o momento mais marcante nessa minha vida dentro do Carnaval foi no Acadêmicos do Tucuruvi. Cheguei na escola com uma certa desconfiança da comunidade, um certo receio. Estava ali para substituir dois grandes cantores de lá, que são o Freddy Vianna e o Vaguinho, e consegui ter o apoio de toda a escola mesmo em pouco tempo. Todos me abraçaram, me apoiaram. Foi uma fase muito especial na minha carreira", finalizou.

Últimas de Carnaval