Série A: Unidos de Bangu quer resgatar tradição no reencontro com a Sapucaí

Superintendente Gustavo Barros revela primeiros passos da escola para o desfile de 2015; Repleta de reforços, Vermelha e Branca divulgará o enredo no dia 20: 'É uma grande viagem'

Por O Dia

Rio - No mesmo pátio em que muitos acreditam que o futebol foi praticado pela primeira vez no Brasil, o Carnaval deu um de seus mais antigos passos. A Unidos de Bangu foi fundada em 1937 e terá em 2015 um grande marco para sua história. A Vermelha e Branca está de volta à Sapucaí após 30 anos, sendo 15 em inatividade. Quarta escola de samba mais antiga do Carnaval, a agremiação já se prepara para o retorno à Passarela do Samba.

Natural do tradicional bairro do Subúrbio carioca, onde teve sua fundação na extinta Fábrica Bangu (agora Bangu Shopping), a escola já esquenta os tamborins para o próximo Carnaval. Em conversa com o DIA na Folia, o superintendente Gustavo Barros contou que a preparação está a todo vapor. Empolgada com o data marcante, o objetivo é se firmar na Série A para, futuramente, mirar o sonhado retorno ao Grupo Especial.

"Estamos muito felizes com esse retorno. Somos a quarta escola mais antiga do Brasil. Tivemos parados por 15 anos e voltamos à ativa há dois Carnavais. Conseguimos o vice-campeonato do Grupo C e o título do B e, agora, nossa primeira meta é nos mantermos no grupo. Não queremos alçar passos maiores que nossa perna. Mas estamos nos planejando para ter um momento ainda mais especial em 2016", projetou;

Unidos de Bangu volta à Sapucaí e quer se firmar na Série A Divulgação

O trabalho foi iniciado antes mesmo do término do Carnaval de 2014. Com a grande ajuda do patrono Renato Moura e do presidente de honra Thiago Pampolha, a escola passou a se reestruturar no maior espetáculo da Terra. O objetivo, agora, é por um desfile técnico, comprovando o profissionalismo adotado no retorno em 2013. A busca, no entanto, é resgatar o orgulho banguense no Carnaval. A escola, que dedica todas suas fantasias à comunidade, quer se unir à Mocidade e Unidos de Padre Miguel, como fortes representantes da região.

"É um grande peso. Este é um momento que mexe muito com a nossa escola, com o povo de Bangu. Temos a Mocidade em Padre Miguel e a Unidos na Vila Vintém, agora queremos mostrar a força do centro de Bangu. É muito prazeroso estar estruturando a agremiação e levando essa gente de volta ao topo do Carnaval. Estamos focando num trabalho muito técnico para fazermos um bom desfile. Até um grande workshop será organizado com todos os segmentos e a leitura das justificativas e regulamentos da Liga. Estamos confiante", disse Gustavo, que projetou uma Série A bastante disputada em 2015.

"Provavelmente apenas uma escola será rebaixada na Série A e isso já torna a disputa ainda mais acirrada. Sabemos que abrir os desfiles é uma pedreira, mas com um trabalho bem executado isso pode ser detalhe. A própria Em Cima Da Hora mostrou isso neste ano. Não queremos cometer alguns erros bobos, estamos fazendo um grande planejamento. Serão 1900 componentes representando muito bem nossa bandeira", acrescentou.

Reforços para brilhar na Série A

De olho no reencontro com o Sambódromo, a diretoria da Bangu acertou alguns reforços para 2015. A maior aposta foi no posto de carnavalesco. Petterson Alves fará sua estreia no Rio após se destacar no Carnaval do Espírito Santo. Outro nome cogitado foi o de André Machado, agora na X-9 Paulistana, mas, em momento algum, a agremiação optou pelos conhecidos medalhões do espetáculo carioca.

"A ideia do Petterson surgiu junto com a diretoria. Pensamos na vontade de ter um trabalho diferenciado, sem o estilo acomodado de alguns grandes carnavalescos do Rio. Chegamos a cogitar outro nome, mas fomos felizes em fechar com o ele. Além disso, estamos mantendo o ritual de carnavalescos estreantes e vitoriosos na Série A. Foi assim com o Júnior Pernambucano no Império da Tijuca e com o João Vitor na Viradouro", disse.

Mestre-sala Bira está de volta ao Carnaval e irá defender a Unidos de BanguDivulgação

Do lado oposto ao estreante Petterson, a Bangu acertou o retorno do mestre-sala Bira ao Carnaval. Após ficar afastado em 2014, o dançarino retorna ao Sambódromo para dançar ao lado de Janaína, que teve vínculo renovado pela diretoria. Além dele, o intérprete Marcelo Rodrigues, ex-Cubango, será a voz oficial da Vermelha e Branca em 2015.

"Conseguimos trazer o Bira, que esteve afastado neste ano. Ele já está ensaiando com a Janaína e, pelo que vi, estão formando uma dupla de sucesso. Ele é um grande mestre-sala e adorou o nosso projeto quando conversamos. Além disso trouxemos o Marcelo para o nosso microfone oficial", disse Gustavo, que ainda não descarta as conversas com o experiente Wander Pires.

"Estávamos conversando com o Wander mas acabou dando uma parada. Mas não está descartado ainda", contou.

Enredo bem guardado e muito trabalho se aproximando

Janaína teve contrato renovado e defenderá a Unidos de Bangu na Série A do Carnaval do RioDivulgação

Com a preparação iniciada, a Bangu já tem um enredo definido. Gustavo revelou que o tema para 2015 será divulgado no dia 20 deste mês. Uma coletiva na quadra da escola, às 20h, marcará também a apresentação de toda a equipe de Carnaval para o próximo ano. Além disso, a agremiação já possui um calendário corrido para o próximo mês.

"Queremos matar tudo sobre protótipos e barracão no mês de junho. Já estamos com alas fechadas e muitos coordenadores com trabalho adiantado. O enredo já está definido, mas guardado à sete chaves. Posso adiantar que será um tema histórico, uma grande viagem na Sapucaí. Tenho certeza que o pessoal que estiver na Sapucaí na sexta-feira de Carnaval vai adorar o que a Bangu vai levar para o Sambódromo", concluiu.

Neste ano, a Unidos de Bangu garantiu o título do Grupo B ao levar à Intendente Magalhães o enredo "Eternamente Bangu". A veterana volta ao Sambódromo após desfilar apenas duas vezes na Passarela do Samba, em 1984 e 1985, pelo Grupo 1-B. No Especial a escola esteve presente por quatro Carnavais. O melhor resultado na elite foi em 1959, quando ficou com a 8ª colocação. Em 1958 a agremiação ficou em 12º lugar e, em 1960 e 1963 foi rebaixada nas 8º e 9º posição, respectivamente.

Últimas de Carnaval