Marcius Melhem fala do sucesso do 'Isso a Globo Não Mostra', quadro do 'Fantástico'

'Estamos muito felizes com a repercussão. Temos os números de engajamento do quadro, a audiência é boa, e a repercussão na internet é excelente e crescente', comemora o comediante

Por texto: Gabriel Sobreira

William Bonner cantando 'Jenifer' no 'Isso a Globo não Mostra'
William Bonner cantando 'Jenifer' no 'Isso a Globo não Mostra' -

Rio - "Três? Três reais, com paninho, tecido, com todos esses detalhes?", impressiona-se Ana Furtado. E William Bonner cantando 'Jenifer', de Gabriel Diniz? Não dá para assistir ao 'Fantástico', da Globo, sem aguardar a "tela hackeada" no último bloco do quadro 'Isso a Globo Não Mostra', que só no último domingo foi responsável pela maior audiência de todo o dia na Globo. "Estamos muito felizes com a repercussão. Temos os números de engajamento do quadro, a audiência é boa, e a repercussão na internet é excelente e crescente", comemora Marcius Melhem, que desde setembro de 2018 é o diretor de humor da Globo.

CONTINUA?

Vão ter mais quantos episódios? Pode ganhar vida fora do 'Fantástico'? "Nosso combinado inicial eram quatro episódios, e agora avaliaremos conjuntamente com o 'Fantástico' os próximos passos", entrega Melhem. Na conta, o último quadro seria exibido amanhã. Se a equipe continuar com o plano de terminar a atração, Melhem diz que é difícil adiantar o que preparam para fechar com chave de ouro. "Como 'Fantástico' é jornalismo, trabalhamos no quadro até quase a hora da exibição", diz.

Roteirista e ator, Marcius observa que o 'Isso a Globo Não Mostra' está dentro da linguagem que ele e a equipe já buscam desde o 'Tá no Ar'. Em outras palavras, a atração traz uma certa agilidade. E uma "autofagia" da televisão, já que brinca com o próprio veículo, numa dinâmica muito próxima do que é feito na internet como um todo. "Ele dialoga muito bem com o digital, espalha-se muito, e a TV é um dos principais assuntos do digital. É muito tentador podermos brincar com o nosso próprio acervo, que é gigante, e com o dia a dia da nossa programação", confidencia.

POLÍTICA

Um dos pontos fortes do quadro — inclusive elogiado pelo público — são as críticas políticas. Marcius explica que humor é oposição sempre. Provoca, aponta distorções, incoerências, e promove o debate de ideias. Inclusive, a função do humor é expor questões, provocar e levantar o debate público. "Não temos partido e somos críticos a qualquer lado. Mas é óbvio que quem governa, quem domina a máquina pública está mais exposto, porque está influindo diretamente no dia a dia dos brasileiros", defende ele.

HUMOR NA GLOBO

Sobre o cargo que desempenha na Globo à frente dos projetos relacionados a humor, Melhem afirma que uma das condições que ele impôs para assumir o posto foi não deixar de criar. "O que mais me motiva é não perder a emoção de estar criando. Gosto muito do que faço, de encontrar pessoas todo dia e de estar trabalhando na criação de ideias, em texto. E, para além disso, estou cercado de gente muito boa. E amo estar com eles nas salas de criação", derrete-se ele, dizendo que ainda segue estruturando a área.

Ele frisa que não decide o que vai ao ar, mas dá a opinião/avaliação e acompanha os projetos. No mais, Marcius procura ser o mais sincero possível com os projetos que chegam até ele. "É fundamental olhar nos olhos das pessoas e conversar sobre o que você acredita. Tudo sempre será muito discutido. Fundamental é que a vida dos projetos não dependa do meu gosto pessoal, mas do poder de comunicação das ideias nas diferentes chaves de humor", enfatiza.

Galeria de Fotos

William Bonner cantando 'Jenifer' no 'Isso a Globo não Mostra' Reprodução
Ao lado, alguns trechos do quadro 'Isso a Globo Não Mostra' que viralizaram Reprodução
Marcelo Adnet, Mauricio Farias e Marcius Melhem Globo/Mauricio Fidalgo
Trecho de 'Isso a Globo Não Mostra' Reprodução
Trecho do 'Isso a Globo não Mostra' Reprodução
Apresentador (Marcius Melhem) do Poligod na sexta temporada do 'Tá no Ar' Globo/Estevam Avellar

Comentários