Russos que invadiram campo durante final da Copa do Mundo são soltos

Grupo ficou 16 dias na cadeia, após terem acesso ao gramado na decisão entre França e Croácia

Por O Dia

Grupo feminista assumiu autoria de invasão
Grupo feminista assumiu autoria de invasão -

Rússia - Quatro membros da banda punk russa Pussy Riot que invadiram o campo durante a final da Copa do Mundo da Rússia foram liberados da custódia da polícia depois de ficarem detidos por 16 dias, disse seu advogado nesta quarta-feira.

O grupo cumpriu uma pena por invadir o gramado usando uniformes de policiais durante o segundo tempo da decisão entre Croácia e França, no último dia 15, interrompendo a partida brevemente com um protesto que disseram ter sido uma defesa da liberdade de expressão.

Os quatro deveriam ter sido soltos na segunda-feira, mas foram detidos imediatamente depois de serem libertados e mantidos por mais um dia antes de finalmente serem postos em liberdade na noite de terça-feira, disse o advogado Nikolai Vasilyev.

Não ficou claro se eles enfrentarão novas acusações por desobedecerem a polícia e realizarem um evento público sem permissão prévia, que a polícia tentou lhes impingir sem sucesso, segundo Vasilyev. Estes delitos implicam em penas máximas de 10 e 15 dias de prisão. A breve invasão do grupo no principal estádio de Moscou diante do presidente russo, Vladimir Putin, e de outras autoridades de alto escalão foi uma violação de segurança rara durante a Copa do Mundo.

O grupo disse que a façanha também foi um protesto contra o que veem como políticas corruptas da Fifa, a entidade global do futebol. A Pussy Riot ganhou destaque nacional em 2012, quando suas integrantes foram presas por realizarem um protesto contra Putin em uma catedral ortodoxa russa em Moscou, e desde então se tornou um símbolo das ações de repúdio ao Kremlin.