'Pokémon Go' é proibido por promover o pecado e a blasfêmia

Decreto ocorreu na Arábia Saudita. Segundo país, símbolos do game promovem maçonaria, xintoísmo, cristandade e outros

Por O Dia

Itália - Na Arábia Saudita, uma fatwa (decreto islâmico) de 2001 - que considerava a franquia Pokémon anti-islâmica - foi renovada. De acordo com as autoridades religiosas islâmicas árabes, o Pokémon promove o pecado e as mutações das criaturas no jogo são uma blasfêmia, no sentido em que promove a teoria da evolução.

O primeiro decreto foi criado há 15 anos contra o jogo de cartas. Segundo a fatwa, os símbolos usados no game da Nintendo promovem a maçonaria, xintoísmo e cristandade.

Decreto islâmico contra Pokémon foi renovado na Arábia Saudita com a chegada do jogo para smartphoneReprodução Internet

Policiais e militares são proibidos de jogar 'Pokémon Go' na Indonésia

A polêmica com o game ocorre em vários países. Nesta quarta-feira, a Indonésia proibiu que os policiais joguem "Pokémon Go" durante as horas de serviço e estenderá a mesma restrição aos militares, alegando que o jogo para telefones celulares é uma ameaça para a segurança. 

Assim como em outras partes do planeta, a caça de criaturas virtuais escondidas no mundo real está causando comoção no país do sudeste asiático. Apesar de o game não ter sido lançado oficialmente no país, muitos indonésios fizeram o download alternativo do aplicativo.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência