Sucateamento expõe equipes do Inca a risco

Instituto não tem materiais básicos para o atendimento aos pacientes

Por O Dia

Rio - Referência no país, o Instituto Nacional do Câncer (Inca) está funcionando sem os materiais básicos para o atendimento aos pacientes. Faltam medicamentos, anestesias, seringas, gaze, curativos e etiquetas para bolsas de sangue. Entre o governo e os pacientes estão servidores, que ficam sem procedimentos de proteção. Equipes inteiras acabam sendo prejudicadas.

“Não temos roupas para fazer cirurgias, temos que pedir emprestado para outras unidades que também sofrem com falta de material. E essas roupas não são esterilizadas. Estamos correndo risco para atender”, relatou uma enfermeira da unidade da Praça Cruz Vermelha, no Centro, que preferiu não se identificar. Um comunicado interno mostra a vulnerabilidade da instituição. O documento, direcionado aos funcionários, diz que faltam 103 materiais vitais hospitalares.

Inca não tem materiais básicos para o atendimento aos pacientesarquivo pessoal

“Desde 2004, há uma mobilização para lidar com cortes orçamentários. Nosso critério para priorizar necessidades e autorizar gastos é o cumprimento de demandas judiciais”, informa um trecho do comunicado.

Com a carência de insumos, as cirurgias estão sendo canceladas, o que impossibilita a sobrevida do paciente que já está debilitado. A falta está levando o Serviço de Hemoterapia do Inca a recorrer a outros hospitais para empréstimo de materiais.

“A falta de material é uma extensão das condições a que somos submetidos, que já sofremos com sobrecarga de trabalho em virtude do déficit de pessoal e de concursos”, desabafa um servidor. Na ponta do problema, os pacientes reclamam da falta de estrutura. “Falta todo material para fazer enfaixamento”, disse uma paciente da Fisioterapia na porta do Inca. “Já vi no CTI com dez leitos os enfermeiros trocarem as roupas de apenas três pacientes porque não havia mais material”, disse a filha de uma paciente no Inca.

O Sindsprev, que representa a categoria, denunciou o caso ao Ministério Público Federal com pedido de ação pública, que aguarda a distribuição à Procuradoria da República. Também prestou queixa na Ouvidoria do Ministério da Saúde e pediu explicações ao Núcleo Estadual do Rio de Janeiro.

ESTOQUES REVISTOS

No comunicado enviado aos funcionários, é dito que a situação do Inca acompanha o cenário econômico atual do país e que ainda sente o arrocho vivenciado em 2014. Em resposta à coluna, o Inca informou que há um processo de regularização, mas não disse prazo para normalização dos estoques. O órgão ressaltou que o problema não afeta o tratamento aos pacientes.

INDIGNAÇÃO

As explicações dadas, na véspera do Dia do Trabalhador, pela direção do Inca para a crise de desabastecimento que assola a instituição provocaram indignação entre funcionários. Os servidores públicos afirmaram que o instituto passa por um processo de sucateamento e que acreditam que o hospital pode ser privatizado caso continuem com o descaso.

Últimas de _legado_Economia