Rússia acusa UE por retomar cooperação militar para a Ucrânia

Esta semana a UE aprovou de maneira oficial, entre outras medidas restritivas contra a Rússia

Por O Dia

Moscou - A Rússia acusou neste sábado a União Europeia (UE) de ter dois pesos e duas medidas por suspender as restrições para a importação de equipamentos e de tecnologia militarà Ucrânia, cenário de um conflito entre forças do governo e rebeldes pró-Rússia desde abril. "Durante a recente reunião do Conselho Europeu os líderes da UE concordaram 'na calada da noite' suspender as restrições à exportação à Ucrânia de equipamentos que podem ser utilizados para a repressão interna", apontou a chancelaria russa em comunicado. Segundo a nota, Bruxelas "também autorizou a exportação de equipamentos e tecnologia militar".

Moscou lembra que as restrições foram estabelecidas em 20 de fevereiro quando o Conselho Europeu, ou seja, "quando o presidente (Viktor) Yanukovich estava no poder". Ele foi derrubado dois diasdepois. "Enquanto isso no Maidan (Praça da Independência de Kiev) continuavam os confrontos violentos entre os ultranacionalistas radicais armados e os praticamente desarmados corpos de segurança", acrescentou.

Então"na UE consideraram incorreto fornecer armamento e equipes especiais ao 'regime de Yanukovich'". "Agora, sem levar em consideração a continuidade da operação militar no sudeste do país por parte das atuais autoridades de Kiev, a UE considerou necessário retomar a concessão em grande escala delicenças para a exportação de equipamentos militares e equipesespeciais", assinalou.

Para a chancelaria russa "é evidente porque a UE se empenha em calar os indiscutíveis fatos dos disparos contra território russo vindos da Ucrânia: a perspectiva de ser implicada em tais açõescria, provavelmente, certo desconforto em Bruxelas". Por tudo isso, a Rússia chama à UE "a se guiar pela lógica comum e não pela conjuntura ou pelos 'arreios' de Washington". "A decisão de limitar o fornecimento de armas e equipamentos especiais à Ucrânia devia ter sido tomada depois do começo da chamada operação antiterrorista no Donbass e na região de Lugansk.Inclusive agora não é tarde para retomar essa proibição", ponderou.

Caso contrário, advertiu, "aumentará a responsabilidade da União Europeia no contínuo derramamento de sangue no sudeste da Ucrânia". Esta semana a UE aprovou de maneira oficial, entre outras medidas restritivas contra a Rússia por sua influência na situação da Ucrânia, um embargo à importação e exportação de armas e materialrelacionado desde e para a Rússia, e a proibição da exportação de bens de uso dual (civil e em defesa) com fins militares.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência