Eduardo Campos ratifica apoio a Miro

Na Mangueira, presidenciável do PSB diz que Miro e Romário são os seus candidatos no Rio

Por O Dia

Rio - Em visita ao Rio, o pré-candidato do PSB à Presidência da República, Eduardo Campos, ratificou o seu apoio à candidatura do deputado do Pros, Miro Teixeira, ao Palácio Guanabara, e ao deputado e ex-jogador Romário ao Senado pelo partido socialista. A declaração, ontem ao pé do Morro da Mangueira, Zona Norte da cidade, tentou colocar fim a qualquer especulação de uma possível desistência de Miro.

Segundo Campos, há mais de 120 dias ele disse que apoiava o candidato do Pros. “No Rio, vamos apoiar a candidatura de Miro para o governo estadual e do Romário para o Senado”, afirmou. A convite de Miro, o ex-governador de Pernambuco e a candidata a vice na chapa presidencial, Marina Silva, visitaram o Centro Cultural Cartola, que contou também com a participação de Romário. Este, porém, ficou pouco tempo e não quis dar nenhuma declaração.

Acompanhado de Marina Silva e Romário%2C o presidenciável Eduardo Campos e Miro Teixeira visitaram ontem o Centro Cultural Cartola%2C na MangueiraAlessandro Costa / Agência O Dia

O candidato do Pros, por sua vez, destacou a rápida presença do ex-jogador. “Ficam fazendo intriga. Mas não há intriga que me separe do Romário. Ele alterou a sua agenda para estar aqui. Me telefonou e veio me dar um abraço”, afirmou Miro. O candidato ao Palácio Guanabara não negou a existência de ruídos na aliança entre as duas legendas no Rio. No entanto, segundo ele, isso faz parte de discussão de ideias: “Não fazemos coligação por conta de loteamento de cargos, mas através de discussão de ideias. E as discussões têm ruídos mesmo, as divergências aparecem e fazem parte do processo.”

O PSB fluminense promove a sua convenção depois de amanhã, e o Pros na próxima quinta-feira. Até lá, as arestas deverão ser aparadas, quando também deverá ser anunciado o nome do representante a vice na chapa estadual. Com apenas 1% nas pesquisas de opinião, Miro hoje não tem um palanque forte para oferecer à campanha de Campos no Rio.

De acordo com Miro, após as convenções e o início oficial das campanhas, a partir de 6 de julho, é que vai ocorrer o primeiro evento público de sua candidatura. Ontem, o deputado fez questão de destacar a importância do centro cultural dentro da favela da Mangueira que, segundo Miro, corre o risco de fechar as portas por falta de apoio do poder público. “A burocracia e a falta de patrocínio poderá desativar vários projetos sociais aqui desenvolvidos”, disse.

Marina conclama união do povo

Ao percorreram o Centro Cultural Cartola, o pré-candidato do PSB à Presidência da República, Eduardo Campos, e a sua vice Marina Silva foram ciceroneados pelos netos de Cartola, Pedro Paulo Nogueira e Nilcemar Nogueira, idealizadores do local. Marina lembrou que, no Rio, eles já participam de um jantar com artistas e visitaram também o Centro Cultural AfroReggae, em Vigário Geral.

“Não é mera coincidência estar num lugar como esse, onde se faz cultura. A arte tem essa função, de criar dignidade, de renovar a esperança, quando o Brasil começa ter a sensação de desesperança, de perder o encanto”, disse Marina, lembrando a ótima votação que teve aqui, em 2010, ficando em segundo lugar no estado na campanha presidencial. Por fim, a representante da Rede exaltou a união da população para enfrentar o momento de desilusão do país.

Famílias moram no meio do lixo

Antes de visitarem o Centro Cultural Cartola, Miro Teixeira, Eduardo Campos, Marina Silva e Romário entraram num prédio abandonado há mais de dez anos e que foi sede do IBGE. Ali moram cerca de 300 pessoas num local insalubre, tomado pelo lixo, sem água e com esgoto a céu aberto. Eles ficaram chocados com o que viram no interior do prédio e, principalmente, por estarem a apenas um quilômetro do estádio do Maracanã, onde está sendo realizada a Copa do Mundo.

“É impossível não se chocar com um prédio público em que as crianças moram no lixo. É a presença da exclusão. Existe um descaso com o Brasil real, precisamos promover o encontro do Brasil oficial com o Brasil real. Não queremos corrupção, patrimonialismo, nem divisão dos brasileiros”, disse Campos, já no centro cultural. Por meio da assessoria, a Secretaria Municipal de Habitação do Rio informou que há um projeto para construir 240 apartamentos dentro do programa Minha Casa, Minha Vida no local.

Últimas de Rio De Janeiro