Peças do movimento positivista, que criou lema da Bandeira Nacional, abandonadas

O acervo histórico, de aproximadamente 15 mil volumes, pede socorro desde 2009, quando uma forte chuva derrubou parte do teto do local que preserva ainda roupas de época e uma gigantesca biblioteca contando a história do positivismo

Por O Dia

Rio - Às vésperas da semana da bandeira, parte da história da Proclamação da República está abandonada em uma Igreja Positivista na Glória, Zona Sul do Rio. O primeiro templo Positivista, antiga igreja Humanista do Brasil, construído em 1897, está em estado de calamidade. O acervo histórico, de aproximadamente 15 mil volumes, pede socorro desde 2009, quando uma forte chuva derrubou parte do teto do local que preserva ainda roupas de época e uma gigantesca biblioteca contando a história do positivismo que influenciou o lema ‘Ordem e Progresso’ da bandeira nacional.

“A situação é desesperadora”, diz Alexandre Martins, diretor da Igreja Positivista. “Com a falta de recursos para a recuperação do telhado e a obra de restauro da Igreja, o prejuízo básico é perder parte da história do Brasil”, afirmou. Levar o problema a público é a última estratégia de uma missão que já teve milhares de seguidores no país. Há seis anos, não ocorre um único culto da filosofia de Augusto Comte que já influenciou políticos como Getúlio Vargas e Benjamin Constant, um dos principais arquitetos do movimento que derrubou a monarquia.

Peças e documentos históricos estão em péssimo estado de conservação no prédio%2C na Glória%2C onde funciona a sede da Igreja PositivistaEstefan Radovicz / Agência O Dia

Em visita ao espaço, O DIA constatou que os tesouros da história estão guardados em locais que não condizem com sua importância, como o porão úmido do templo. No meio da confusão, andaimes escoram o prédio graças a um acordo com a Secretaria Estadual de Cultura, que cobriu o rombo e, temendo pelo desabamento, tratou de se movimentar. Porém, as marcas dos 17 meses de exposição à chuva, sol e fezes de pombos estão latentes nas paredes descascadas, cadeiras empilhadas e lemas escritos na parede deteriorados.

Entre os arquivos ameaçados estão manuscritos e cartas trocadas entre Benjamin Constant e Teixeira Mendes, criador da bandeira nacional. A Igreja recebeu o prêmio de Memória do Mundo, concedido pela Unesco. “Há muito material se perdendo”, lamenta Alexandre Martins. A Igreja é tombada nas esferas municipal, estadual e federal. “No Rio há poucos lugares, como a Igreja e o Copacabana Palace, que tem tombamento nas três esferas”, diz.

Não há o valor exato para a reconstrução da Igreja, mas a estimativa é que seja entorno de R$ 15 milhões.
A Secretaria de Cultura informou que de acordo com a Legislação Estadual referente à proteção do Patrimônio, é de responsabilidade do proprietário zelar pelo bem. “Eu abracei essa causa e quero ver a geração futura tendo acesso à história do Brasil de verdade”, diz a bibliotecária Nanci Rocha.

Multa após vistoria

O positivismo é uma corrente filosófica que teve como principal pensador Augusto Comte. No Brasil, ficou conhecido como religião da Humanidade. É famosa por ter influenciado o lema da bandeira nacional, ‘Ordem e Progresso’, criada por Teixeira Mendes.

O positivismo valoriza a mulher, chamada de Providência Moral da Espécie Humana, e a filosofia. Seu principal símbolo é a Deusa da Humanidade. Para eles, o progresso depende dos avanços científicos.
Em 2014, foi autuada por má conservação pelo Iphan. Segundo o órgão, para se isentar da multa é necessário provar que não há condições de arcar com a obra, ficando a cargo do Iphan. Os diretores recorreram, alegando que o local já estava depredado antes mesmo do tombamento e, de acordo com eles, o processo ainda está correndo.

Últimas de Rio De Janeiro