Opinião

Ricardo Cravo Albin: Flip, Flape, Flupp

Sólida e resistente, a Flip de Paraty encanta sempre pela diversidade, pela teimosia e pela audácia de ser internacional

Rio - Ah! as feiras literárias... São a paixão de todos os que gostamos da aventura dos livros, da literatura, do conhecimento. Para mim, o melhor delas começou mesmo com as estridências inesperadas da primeira Flip, já lá se vão muitos anos. Esta de 2017, que se encerrou há dias, ainda hoje repercute em palestras e polêmicas dentro de livrarias e centros literários. 

Sólida e resistente, a Flip de Paraty encanta sempre pela diversidade, pela teimosia e pela audácia de ser internacional Agência O Dia

Compareci à primeira Flip, nem me lembro mais quando. Lá voltei muitas vezes, a palestrar em algumas, a lançar livros em outras tantas. Sólida e resistente, a Flip de Paraty encanta sempre pela diversidade, pela teimosia e pela audácia de ser internacional, a partir do sonho da extraordinária mulher que a criou, agregando duas belezas, a cidade histórica e os livros, uma mesclando e matizando a outra.

Este ano Paraty reluziu com a homenagem focada em Lima Barreto. Vocês, leitores menos afeitos à literatura, fazem ideia da importância deste nome? Para dizer-se o mínimo, ele foi o maior escritor carioca de seu tempo (e de vários outros tempos), uma flor literária de altíssima voltagem que desabrochou nas duas décadas iniciais do século passado.

Mulato e pobre, mas febril em ideias e indignado com as injustiças, Lima cativou minha geração. Tanto pela unicidade do estilo, quanto pela coragem de vomitar verdades em golfadas de originalidade nunca vistas nesta terra. A literatura patinava quase sempre na imitação do estrangeiro, na impostura do preconceito. Pois Lima Barreto foi capaz de construir uma obra homogênea e rara, cujo grito ecoará sempre — “liberdade ou morte”. A liberdade compreendida por ele como a libertação dos grilhões de uma burguesia engomadinha e burra — na verdade até espertíssima, muito matreira em defender preconceitos e conceitos de suas castas sociais ou raciais.

O simples fato de homenagear este ano Lima Barreto já seria suficiente para todos amarmos a Flip que acaba de se encerrar.

Voltando a meu entusiasmo pelas feiras literárias, o espaço mínimo de que disponho nesta página castra minhas intenções de abordar com vagar as duas outras que anuncio no título desta croniqueta. A Flape (a dos Amigos do Portugal de Eça) foi a menor feirinha do mundo, era a declaração do amor a Eça de Queiroz por parte de reunião de uma dúzia de adolescentes ao começo dos anos 60 em Laranjeiras. Pretensiosissímos, só admitimos à Flape quem também fosse capaz de ler nosso Lima, contraface carioca de Eça na crítica aos costumes, que exigíamos ácida e cortante.

A outra, a Flupp, é a feira das favelas. Esta, sim, uma ideia redentora que estimula os livros e a afirmação literária de comunidades desassistidas. Desta feira, uma feirona cultural que vai muito além de mero blá-blá-blá, eu queria falar a não mais acabar. Mas o que acabou agorinha mesmo foi o espaço. Prometo que voltarei à Flupp.

Ricardo Cravo Albin é Presidente do Inst. Cultural Cravo Albin

Relacionadas

    Comentários

    Mais lidas

      Escolha do Editor

        Newsletter

        Receba gratuitamente o melhor conteúdo de O DIA no seu e-mail e mantenha-se muito bem informado

        • Anuncie também pelo DIAFONE(21) 2532-5000
        Anuncie