Rio

Homem é acusado de racismo na Internet

De acordo com a Frente Favela Brasil, Marcos Clay teria escrito no Facebook: 'Eu odeio preto, mas essa goleira do Brasil tinha chance'

Rio - A recém-criada Frente Favela Brasil entrou com ação no Ministério Público Federal do Rio contra um homem acusado de crime de racismo na internet. De acordo com o novo partido político, Marcos Clay, que é membro do Conselho Federal de Administração (CFA) do Acre, postou dia 12 no Facebook “Eu odeio preto, mas essa goleira do Brasil tinha chance!”, em alusão a Bárbara Micheline, da Seleção Brasileira de Futebol.

A representação no MPF foi proposta pelos advogados Humberto Adami e Flávia Ribeiro e, de acordo com o órgão, só deverá ser analisada após a Olimpíada. Clay apagou o post em sua página e fez outro, de esclarecimento sobre o caso, no qual classifica a declaração como “brincadeira”. “Muitos negros têm sido presos por desacato por muito menos que isso”, critica o advogado Humberto Adami.

A Frente afirma que espera que o caso seja analisado como racismo, não como injúria racial. “No crime de racismo, o ofensor visa a atingir um número indeterminado de pessoas, enquanto na injúria racial ele atinge a honra de determinada pessoa”, diz o texto da ação. A importância da diferenciação dos crimes diz respeito às penas. Enquanto a injúria costuma resultar em penas alternativas, o racismo dá cadeia.

Em nota divulgada no domingo, o CFA repudiou as declarações: ‘Tolerância zero com tal atitude é o clamor da sociedade e a posição do CFA’.

Relacionadas

    Comentários

    Mais lidas

      Escolha do Editor

        Newsletter

        Receba gratuitamente o melhor conteúdo de O DIA no seu e-mail e mantenha-se muito bem informado

        teste
        • Anuncie também pelo DIAFONE(21) 2532-5000
        Anuncie