Rio

Em greve, agentes penitenciários impedem visitas aos presos em Gericinó

Categoria aprovou greve na noite desta segunda-feira, reivindicando pagamento de salários e melhorias nas condições de trabalho

Rio - Em greve, aprovada na noite desta segunda-feira, agentes penitenciários estão impedindo o acesso de visitantes aos presos do Complexo de Gericinó, em Bangu, na Zona Oeste. Hoje, parentes de presos que estão em casas de custódia foram barrados ao chegarem no local. 

"Deixamos de comprar coisas dentro de casa para trazer para eles. Aí chegamos aqui e não deixam a gente entrar, nem entregar os alimentos. O que eu faço com essa comida?", disse a balconista Tatiana Cristina, de 35 anos, que veio visitar o marido e um filho que estão presos.

Já Clarissa Carvalho Maciel veio de Paraty, na Costa Verde do estado, para visitar o companheiro e foi surpreendida com a decisão dos grevistas. "Cheguei no início da manhã e não estão deixando a gente entrar. Eu venho há oito meses e nunca vi uma situação como essa. Só quero ver o meu marido", desabafou.

Agentes em greve no Complexo de Gericinó. Visitantes foram impedidos de visitar os presos na manhã desta terça-feira Rodrigo Menezes / Parceiro / Agência O Dia

Situação pode piorar nas visitas de quarta-feira

Segundo o inspetor penitenciário Antonio Cesar de Jesus, o Dória, o movimento de visitantes nesta terça-feira é baixo, diferente de quarta-feira, quando o fluxo é muito maior, com média de 2 mil pessoas.  A situação pode gerar tensão com os visitantes dos presos.

"Hoje as visitas são para casas de custódia, mas amanhã piora, porque são em média 2 mil pessoas, com visitas para presídios de segurança máxima", contou.

De acordo com inspetor, há pouco efetivo e péssimas condições de trabalho. "Temos cinco ou seis vigias para controlar uma unidade com 3.500 detentos. O Rio tem que se preocupar com o sistema penitenciário, que faz parte das forças de segurança", protestou. 

Além do impedimento do acesso dos visitantes aos presos, os agentes votaram em assembleia que não farão apresentação de presos às varas criminais. Serviços essenciais como alimentação e emergência médica serão mantidos. A Polícia Militar reforça o policiamento na porta do complexo de cadeias. 

Em nota, a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária disse que "possui um plano de segurança para manter a rotina das unidades prisionais" e que mais informações não seriam divulgadas "questões de segurança."

Relacionadas

    Comentários

    Mais lidas

      Escolha do Editor

        Newsletter

        Receba gratuitamente o melhor conteúdo de O DIA no seu e-mail e mantenha-se muito bem informado

        • Anuncie também pelo DIAFONE(21) 2532-5000
        Anuncie