Rio

Casal denuncia agressão homofóbica

Flavio Micelli e Eduardo Michels relataram ter sido agredidos verbal e fisicamente por vizinhos ao sairem de casa, na Tijuca

Rio - Dois homens foram vítimas de agressão homofóbica na tarde do feriado de Tiradentes, na última sexta-feira. Flavio Micelli, 60, e Eduardo Michels, 62, foram atacados por vizinhos ao sair de casa, na Tijuca, Zona Norte do Rio. Nesta quinta-feira, eles denunciaram ao DIA o caso.

Segundo as vítimas, as agressões foram praticadas por cerca de 20 homens, que estavam em uma festa organizada por vizinhos na vila onde Eduardo morava. Flavio relatou ter sido jogado no chão e golpeado repetidamente com chutes na cabeça e na genitália, enquanto os homens gritavam frases como "vai dar o c... em outro lugar", "toma esse chute no saco, porque você não vai mais usar" e "aqui não é lugar de viado", além de ameaças de morte. Um outro vizinho teria segurado Eduardo pelo pescoço e pelo braço contra a parede.

Casal foi agredido por vizinhos no feriado de Tiradentes Reprodução Internet

O casal contou ter ouvido ameaças poucas horas antes das agressões. Ao colocar um som alto para a festa, um dos vizinhos teria gritado "não tem problema, já estou com o pau aqui, hoje eu pego eles". Flavio e Eduardo já vinham sendo hostilizados por pessoas da vizinhança, que jogavam urina, cigarros e lixo nas proximidades da residência.

"Saímos de lá por medo de sofrer uma violência, mas eles vieram imediatamente para cima da gente. Só não morremos porque um grupo de mulheres conseguiram separar a briga e levar a gente de volta para casa, de onde chamamos a polícia", disse Eduardo. "De pesquisador, virei estatística", completou ele, que há 37 anos produz relatórios acerca de mortes na comunidade LGBT para a ONG Grupo Gay da Bahia.

O deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) divulgou o caso em suas mídias sociais e criticou a atuação da polícia no caso. Segundo ele, a denúncia só foi prontamente atendida quando os suspeitos acionaram os policiais e disseram ter sido atacados
por Eduardo e Flavio: "(As vítimas) viram-se de frente mais uma vez com pouco caso, desdém, hesitação em registrar a queixa... Mais homofobia", escreveu o deputado, que ofereceu apoio jurídico ao casal. Ao DIA, ele disse ainda que quer chamar a atenção para a homofobia institucional: "Essa discriminação impede que as vítimas denunciem, já que serão mal-tratadas, e encorajam futuros agressores a prosseguirem com os crimes".

Vídeo: 

As vítimas concordaram com a avaliação do deputado: "Os policiais cumprimentaram os agressores e nem olharam na nossa cara", declarou Eduardo. Ainda segundo ele, os problemas continuaram ao fazer o exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal: "Mal nos avaliaram. Flavio está com o corpo todo machucado, mas não deixaram nem ele tirar a camisa para mostrar", contou. O caso foi registrado na 20ª DP (Vila Isabel). 

Eduardo e Flavio tentaram entrar em casa na última segunda-feira para buscar seus pertences e alimentar os peixes do aquário, mas foram impedidos pelo zelador: "Entrei em contato com a imobiliária e eles se recusaram a resolver. Consegui entrar rapidamente na casa para buscar meus documentos, mas haviam trocado a fechadura do portão e para conseguir sair precisei acionar mais uma vez a polícia, que arrombou o portão", disse Eduardo. Ao tentar resolver o problema com a imobiliária, ele disse ter sido ameaçado de ser despejado: "A imobiliária foi omissa. Como vão me despejar? O aluguel está em dia, quem vai cancelar o contrato sou eu. Meu companheiro chorou ao ouvir isso".

Agora o casal está requisitando uma medida cautelar para entrar no imóvel com escolta policial e retirar seus pertences. Por causa do feriado, o pedido só deverá ser deferido na semana que vem, quando a imobiliária será notificada. Procurada, a Imobiliária Zirtaeb não foi encontrada para comentar o assunto até o fechamento desta reportagem.

Eduardo e Flavio, que estão juntos há 20 anos, disseram estar traumatizados com o ocorrido: "Desde que me mudei os vizinhos torceram o nariz para nós porque somos gays e idosos. Mas isso foi o estopim do ódio, uma tentativa de homicídio. Pessoas normais não se juntam para tentar matar um vizinho", lamentaram.

Nota de repúdio

Nesta terça-feira (2), a Coordenadoria Especial de Diversidade Sexual (CEDS-Rio) vai receber o casal, no Palácio da Cidade, em Botafogo, para prestar solidariedade e apoio. Segundo nota da CEDS, foram reunidos representantes de diversos órgãos de direitos humanos e líderes de movimentos sociais. 


Reportagem da estagiária Nadedja Calado

Relacionadas

    Comentários

    Mais lidas

      Escolha do Editor

        Newsletter

        Receba gratuitamente o melhor conteúdo de O DIA no seu e-mail e mantenha-se muito bem informado

        • Anuncie também pelo DIAFONE(21) 2532-5000
        Anuncie