Rio

Policial da Core morto no Jacarezinho será enterrado no Dia dos Pais

Inspetor tinha um filho pequeno. Bruno Guimarães Buhler, de 36 anos, era considerado um dos maiores atiradores de elite da Polícia Civil

Rio - O  policial da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) Bruno Guimarães Buhler, de 36 anos, morto durante operação no Jacarezinho, será enterrado neste domingo, às 10h30, no Cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap, no Dia dos Pais. Ele deixa um filho pequeno. 

Bruno Guimarães Buhler morreu em operação na Favela do Jacarezinho Reprodução Internet

O inspetor policial, conhecido como Xingu, era considerado um dos maiores atiradores de elite da Polícia Civil, onde estava há sete anos. Ele entrou para a Core em 2014.

"Nossa solidariedade à família e aos amigos. E nosso reconhecimento pelos sete anos dedicados ao trabalho policial. Descanse em paz, Guerreiro-Herói: você viveu e morreu combatendo o bom combate", diz nota da Polícia Civil.

A investigação da morte de Xingu está a cargo da Delegacia de Combate às Drogas (DCOD).  O Disque-Denúncia oferece recompensa de R$ 5 mil por informações que levem à prisão do assassino de Buhler. O agente era considerado um dos maiores atiradores de elite da Polícia Civil.

As denúncias podem ser enviadas pelo Whatsapp ou Telegram dos Procurados (21) 98849-6099; pela mesa de atendimento do Disque-Denúncia (21) 2253-1177, pelo facebook/(inbox), endereço: https://www.facebook.com/procurados.org/, ou pelo aplicativo do DD/Rio. O anonimato é garantido.

Bruno Guimarães morreu após ser baleado durante um confronto com traficantes na favela do Jacarezinho. O agente, atingido pelo projétil no pescoço, chegou a ser socorrido para o Hospital Geral de Bonsucesso, mas não resistiu.  

Segundo a assessoria de imprensa do hospital, o policial chegou na unidade em estado grave e morreu após uma parada cardíaca.

96 PMs mortos em 2017

Em menos de 12 horas, dois policiais militares foram mortos no estado, entre a noite de sexta-feira e a madrugada deste sábado, engrossando uma triste estatística: 96 PMs morreram vítimas da violência somente este ano.

O soldado Samir da Silva Oliveira, 37 anos, foi morto após ser baleado no rosto quando fazia patrulhamento na Avenida 24 de Maio, no Méier, na noite desta sexta-feira. O PM era lotado na UPP São João

Já a cabo Elisângela Bessa Cordeiro, do 5º BPM (Praça da Harmonia), foi abordada em um assalto por bandidos quando passava com o marido de carro na Avenida Martin Luther King Jr., esquina da Avenida Brasil, em Coelho Neto, na Zona Norte, na madrugada deste sábado.

Relacionadas

    Comentários

    Mais lidas

      Escolha do Editor

        Newsletter

        Receba gratuitamente o melhor conteúdo de O DIA no seu e-mail e mantenha-se muito bem informado

        • Anuncie também pelo DIAFONE(21) 2532-5000
        Anuncie