Rio

Sem tropas federais, Rocinha vai contar com efetivo diário de 500 policiais

De acordo com secretário de Segurança do Rio, Roberto Sá, gabinetes de Operações Especiais e de Polícia Pacificadora passam a funcionar na favela

Rio - A Polícia Militar montou um planejamento especial para reforçar a segurança na Favela da Rocinha. De acordo com o secretário de Segurança do Rio, Roberto Sá, 500 policiais militares permanecerão por dia na comunidade da Zona Sul. Além disso, os gabinetes de Operações Especiais e de Polícia Pacificadora passam a funcionar na Rocinha por tempo indeterminado.

"A polícia se preparou para a saída das Forças Armadas. Reitero o pedido de colaboração da população por meio do Disque-Denúncia. Continue acreditando, vamos checar todas as denúncias", afirmou Sá, que disse respeitar a decisão do Comando Militar do Leste de retirar as tropas da Rocinha. Os comandos ficarão baseados na localidade conhecida como Portão Vermelho.

Tropas das Forças Armadas deixaram a Rocinha nesta sexta-feira, após uma semana na comunidade da Zona Sul Estefan Radovicz/Agência O DIA

O coronel Roberto Itamar, porta-voz do Comando Militar do Leste, comentou a suposta fuga do traficante Rogério 157, pivô da crise na favela, apesar da presença ostensiva dos militares.

"Existia a possibilidade do Rogério estar na mata ou fora da comunidade. Não sabíamos se estava na Rocinha. O cerco não tinha o objetivo de cercar uma pessoa e sim proteger a população que se viu ameacada por conta da briga de territórios. A busca de pessoas ou de materiais é de responbilidade da segurança pública", disse.

Segundo ele, desde o início do cerco, nas áreas delimitadas pelo serviço de Inteligência, os criminosos da quadrilha do Rogério 157 não saíram da favela.

Relacionadas

    Comentários

    Mais lidas

      Escolha do Editor

        Newsletter

        Receba gratuitamente o melhor conteúdo de O DIA no seu e-mail e mantenha-se muito bem informado

        • Anuncie também pelo DIAFONE(21) 2532-5000
        Anuncie