FOTOGALERIA

Quem são os deputados alvos de prisão e quanto recebiam de 'mensalinho', segundo o MPF

Ex-presidente da Alerj Jorge Picciani (MDB) está em prisão domiciliar. MPF diz que ele recebia R$ 400 mil de mensalinho, além de 'prêmio'
Ex-presidente da Alerj Jorge Picciani (MDB) está em prisão domiciliar. MPF diz que ele recebia R$ 400 mil de mensalinho, além de 'prêmio' Armando Paiva / Agência O Dia
André Corrêa foi reeleito este ano para o quinto mandato (1999-2018) e disputa a presidência da Alerj para 2019. Foi secretário de Meio Ambiente de Luiz Fernando Pezão (MDB) e já havia ocupado o cargo entre 1999 e 2002. Antes das Olimpíadas no Rio, chegou a mergulhar em na Baía de Guanabara para mostrar que a água estava limpa para receber provas. Segundo o MPF, recebia R$ 100 mil de 'mensalinho'
André Corrêa foi reeleito este ano para o quinto mandato (1999-2018) e disputa a presidência da Alerj para 2019. Foi secretário de Meio Ambiente de Luiz Fernando Pezão (MDB) e já havia ocupado o cargo entre 1999 e 2002. Antes das Olimpíadas no Rio, chegou a mergulhar em na Baía de Guanabara para mostrar que a água estava limpa para receber provas. Segundo o MPF, recebia R$ 100 mil de 'mensalinho' Divulgação
Chiquinho da Mangueira é um dos presos da Operação Furna da Onça. Ele recebeu mais de R$ 3 milhões, segundo o MPF
Chiquinho da Mangueira é um dos presos da Operação Furna da Onça. Ele recebeu mais de R$ 3 milhões, segundo o MPF Daniel Castelo Branco / Arquivo / Agência O Dia
Luiz Martins (PDT) é líder do seu partido na Alerj e foi reeleito este ano. Recebia R$ 80 mil por mês, além de R$ 1,2 milhão para campanha em 2014, diz o MPF
Luiz Martins (PDT) é líder do seu partido na Alerj e foi reeleito este ano. Recebia R$ 80 mil por mês, além de R$ 1,2 milhão para campanha em 2014, diz o MPF Divulgação
O deputado Paulo Melo (MDB) já foi secretário de Pezão e presidiu a Alerj. Está preso desde a operação Cadeia Velha e recebia R$ 900 mil/mês + prêmio, segundo o MPF
O deputado Paulo Melo (MDB) já foi secretário de Pezão e presidiu a Alerj. Está preso desde a operação Cadeia Velha e recebia R$ 900 mil/mês + prêmio, segundo o MPF JOSE LUCENA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Marcelo Simão (PP) é político de São João de Meriti, onde foi vereador antes de chegar à Alerj e, segundo o MPF, recebia R$ 20 mil de mensalinho
Marcelo Simão (PP) é político de São João de Meriti, onde foi vereador antes de chegar à Alerj e, segundo o MPF, recebia R$ 20 mil de mensalinho Divulgação
Coronel Jairo, do Solidariedade, tem como reduto eleitoral a Zona Oeste e é um  dos nomes importantes da Mocidade Independente de Padre Miguel. Foi eleito deputado quatro vezes e  já presidiu comissão de Segurança Pública. Recebia R$ 50 mil por mês + prêmio, diz MPF
Coronel Jairo, do Solidariedade, tem como reduto eleitoral a Zona Oeste e é um dos nomes importantes da Mocidade Independente de Padre Miguel. Foi eleito deputado quatro vezes e já presidiu comissão de Segurança Pública. Recebia R$ 50 mil por mês + prêmio, diz MPF Reprodução
Deputado Edson Albertassi (MDB) era líder do governo na Alerj antes de ser preso na Operação Cadeia Velha. Recebia R$ 80 mil por mês + R$ 1 milhão, segundo denúncia do MPF
Deputado Edson Albertassi (MDB) era líder do governo na Alerj antes de ser preso na Operação Cadeia Velha. Recebia R$ 80 mil por mês + R$ 1 milhão, segundo denúncia do MPF Divulgação
Marcus Vinicius "Neskau" (PTB) é de Barra do Piraí e já foi secretário de Estado na gestão de Sérgio Cabral. Recebia R$ 50 mil por mês
Marcus Vinicius "Neskau" (PTB) é de Barra do Piraí e já foi secretário de Estado na gestão de Sérgio Cabral. Recebia R$ 50 mil por mês Reprodução
Marcos Abrahão (Avante), que já foi sargento da PM, recebia R$ 80 mil por mês, além de R$ 1,5 milhão para sua campanha eleitoral de 2014
Marcos Abrahão (Avante), que já foi sargento da PM, recebia R$ 80 mil por mês, além de R$ 1,5 milhão para sua campanha eleitoral de 2014 Divulgação

Rio - A operação "Furna da Onça", que mira deputados acusados de usarem a Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) a serviço de interesses da organização criminosa do ex-governador Sérgio Cabral (MDB) em troca de propina mensal, chamada de "mensalinho”, cumpre 22 mandados de prisão, 10 deles contra parlamentares da Alerj. O nome da operação se refere a uma sala ao lado do plenário da Casa, onde deputados se reúnem para ter conversas reservadas, destinada às combinações secretas que resultam em decisões individuais antes das votações, momento conhecido como a hora da "onça beber água".

Quanto recebia cada deputado alvo de prisão hoje, segundo o MPF

- André Correa (DEM): R$ 100 mil/mês

- Edson Albertassi (MDB): R$ 80 mil/mês + R$ 1 milhão

- Chiquinho da Mangueira (PSC): mais de R$ 3 milhões

- Coronel Jairo (SD): R$ 50 mil/mês + prêmio

- Jorge Picciani (MDB): R$ 400 mil/mês + prêmio

- Luiz Martins (PDT): R$ 80 mil/mês + R$ 1,2 milhão 

- Marcelo Simão (PP): R$ 20 mil/mês

- Marcos Abrahão (Avante): R$ 80 mil/mês + R$ 1,5 milhão

- Marcus Vinicius “Neskau” (PTB): R$ 50 mil/mês

- Paulo Melo (MDB): R$ 900 mil/mês + prêmio