Seguranças do metrô agridem ambulante

Por

Esses seguranças do metrô são sempre extremamente violentos. Quem frequenta sabe bem como eles agem. O metrô é feito com nosso dinheiro, mantido com as tarifas que nós pagamos caro. Isso para a concessionária achar que é dona e soltar os cachorros em quem quiser pelo motivo que achar válido. Eles só fazem isso porque a empresa os deixa serem violentos, querem inibir os ambulantes para favorecerem quem aluga espaço nas estações de metrô. Covardia pura isso! Coisa de quem não respeita trabalhador.

Gabriel da Silveira

Pelo Facebook

Existe um monte de lugar onde o cara pode vender suas mercadorias. Eu acho legal o cidadão querer levar seu sustento pra casa, mas existem regras e elas têm que ser cumpridas. Se o segurança fingir que não viu e fizer vista grossa alguém do monitoramento vai ver e certamente esse profissional será punido, ou poderá até ser demitido. Eu entendo que o camelô quer trabalhar, mas se ali é proibido, tem que respeitar.

Daniel Pereira

Pelo Facebook

Linhas de ônibus não circulam na Zona Oeste

Desde o dia 20 de abril, a linha 366 (Campo Grande x Praça Tiradentes) não está circulando como deveria. A linha é de vital importância para os passageiros que embarcam no Centro para a Estrada do Mendanha. Não há mais nenhuma linha que faça o trajeto Campo Grande x Praça Tiradentes via Estrada do Mendanha. Ligamos diversas vezes para a ouvidoria da prefeitura e nada foi feito. A prefeitura precisa colocar outra empresa para fazer a linha ou prolongar a linha 394 (Vila Kennedy x Praça Tiradentes) para fazer o mesmo trajeto. Se a prefeitura passar a linha para outra empresa já melhora. As linhas 398 e 366 estão largadas e até agora a prefeitura não colocou outra empresa para operar a linha, e enquanto isso o passageiro que se vire como pode. Enquanto isso, as outras linhas melhoram consideravelmente. Em termo de frequência, as linhas são melhores. Só vai resolver o problema quando a prefeitura colocar outra empresa para operar essas linhas. É isso que nós queremos.

Leandro Silva

Campo Grande

Comentários