Vida Saudável

Saiba como usar produtos naturais e suplementos de forma consciente

Eles devem ser usados somente com orientação de médico ou nutricionista, mesmo quando não houver contraindicação

Rio - Para quem gosta de cuidar da saúde, não faltam no mercado opções de produtos naturais e suplementos que prometem uma série de benefícios ao organismo. A oferta é tão grande que a vontade de consumir tudo que o bolso puder comprar se torna tentadora. Mas o fato é que cápsulas de vitaminas, óleos de origem animal ou vegetal e chocolates com colágeno na composição, por exemplo, devem ser consumidos com cautela. Embora eles sejam vendidos livremente e não tenham contraindicações, os próprios fabricantes ressaltam que o ideal é se orientar com um médico ou um nutricionista antes da ingestão. Isso porque o risco de efeitos colaterais, como intoxicação, existe, e fatores relacionados ao estilo de vida e à genética influenciam a obtenção dos resultados desejados.

Brigadeiro fit com colágeno da Fit Cookies Rio de Janeiro Divulgação

Uma das novidades nas prateleiras é o óleo de pequi, fruto típico do cerrado brasileiro. O produto é resultado de 18 anos de pesquisas da Universidade de Brasília (Unb), que descobriu seus efeitos anti-inflamatórios e antioxidantes no corpo humano. Em testes com atletas, a substância se mostrou eficaz na prevenção e na redução das lesões musculares. Além disso, foram comprovadas as ações na proteção contra doenças degenerativas e cardiovasculares e no controle da pressão arterial. "O óleo de pequi é fonte de vitaminas e minerais. Todo mundo pode se beneficiar dele. A recomendação é consumir de uma a duas cápsulas por dia, mas a pessoa conseguirá resultados melhores se mantiver uma alimentação adequada e fizer outras suplementações. Por isso, é mais interessante quando há o acompanhamento de um especialista", diz a farmacêutica Romy Tokarski, CEO da RTK Indústria, detentora da marca Naiak, que comercializa o item.

Benefícios do óleo de avestruz

O óleo de avestruz é outra sensação do momento. Extraído da banha da ave, ele contém um mix dos ômegas 3, 6, 7 e 9, além de antioxidantes e vitaminas A e E. "O composto aumenta a imunidade, a libido e a energia. Também melhora a memória, combate inflamações silenciosas no organismo e modula os níveis de triglicerídeos, colesterol e glicose no sangue", explica o médico ortomolecular e oftalmologista José Henrique Tamburini.

Óleo de pequi: efeitos anti-inflamatórios e antioxidantes no corpo humano Divulgação

Para tratamento em casos de glaucoma, artrite, blefarite e doença de Parkinson , ele indica uma gota por quilo de peso corporal em três porções divididas ao longo do dia. Para prevenção, a quantidade cai pela metade. "Há risco de ocorrência de diarreia, o que exige a diminuição da dosagem. É sempre bom ter a orientação de um médico", completa Tamburini. Distribuído no Rio de Janeiro pela Amazon Origin, o produto também existe na versão creme, para hidratação da pele e cura de feridas.

Segundo o nutrólogo Carlos Alberto Werutsky, da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran), é preciso atenção especial ao consumo de cápsulas das vitaminas A, D, E e K, que são lipossolúveis. "Elas podem se acumular no tecido adiposo e causar intoxicação", afirma. "Se a ingestão desses nutrientes é feita por meio de alimentos, por mais que a pessoa coma, ela não vai se intoxicar porque há uma interação com outros ingredientes, o que dá certa proteção. No momento em que se isola a substância, ela fica hiperconcentrada e passa a oferecer perigo", acrescenta. Para prevenir efeitos colaterais, Werutsky reforça a importância do acompanhamento de médico ou nutricionista. No caso das vitaminas hidrossolúveis, como as do complexo B, o uso indiscriminado traz risco alérgico a predisponentes ao problema.

Fit cookies

Especializada na produção de doces com baixo teor de carboidratos, a Fit Cookies Rio de Janeiro oferece delícias como brigadeiro e beijinho enriquecidos com colágeno hidrolisado. Em 150 gramas do produto, há 7,5 gramas da proteína que dá firmeza à pele e é essencial à saúde das articulações. Segundo a sócia da marca, a administradora Renata Sant'Angelo Lanceiro, as receitas de todos os produtos há ainda pastas, patês e barras de proteínas e as dosagens dos ingredientes polidextrose e whey protein entram nas composições, que não têm lactose, glúten, açúcar, soja e conservantes foram definidas com a ajuda de um nutricionista. "Nossos alimentos são funcionais e sem contraindicação. Mas só quem pode dizer o quanto a pessoa pode comer é o especialista", destaca Renata.

Cápsulas de óleo de fígado de bacalhau Divulgação

De acordo com a nutricionista clínica e esportiva Natália Eudes, da Clínica Nutriness, o colágeno é absorvido no organismo como qualquer outra proteína. Dessa forma, ao ser metabolizado, ele é "quebrado" em vários aminoácidos, como são chamadas suas partes constituintes, que vão precisar se juntar para reconstituir a unidade proteica. A especialista afirma, no entanto, que a suplementação diária de colágeno deve ser de dez a 20 gramas para proporcionar benefícios. "Além disso, é importante que o paciente tenha uma dieta rica em proteínas como um todo. Caso contrário, o suplemento não vai alcançar o alvo e será desviado para outras funções", sublinha a doutora em Nutrição pela Universidade de São Paulo (USP).

Relacionadas

    Comentários

    Mais lidas

      Escolha do Editor

        Newsletter

        Receba gratuitamente o melhor conteúdo de O DIA no seu e-mail e mantenha-se muito bem informado

        • Anuncie também pelo DIAFONE(21) 2532-5000
        Anuncie