Por marta.valim

Rupert Murdoch está apostando nos romances. A News Corp. comprou a Harlequin Enterprises, uma editora de romances como o “Destiny's Last Bachelor?” e “The Heartbreaker Prince”, por US$415 milhões à vista, de acordo com um comunicado. Murdoch adquiriu a Harlequin da canadense Torstar Corp e irá agregá-la à unidade HarperCollins da NewsCorp, que já possui uma editora de romances a Avon Romance.

A Harlequin foi fundada há 65 anos e se tornou a maior editora de romances, conhecida por seus livros de banca. A aquisição dá à HarperCollins uma participação em 11 países estrangeiros e expertise em tradução. O acordo também enfatiza a estratégia do CEO Robert Thomson que ele chama de “globalização e digitalização” - a ideia de que a News Corp. precisa vender melhor conteúdo ao redor do mundo e online.

“[A compra] realmente é parte de nosso jogo global nessas áreas”, disse ele em uma entrevista. "Também sinaliza que o negócio de livros é uma parte importante da empresa”.

A Harlequin publica 1.300 autores e mais de 110 títulos por mês em 34 línguas. Atualmente, a maioria dos livros da HarperCollins é publicada em inglês.

A News Corp., que também é dona do Wall Street Journal e do New York Post, se separou do maior e mais lucrativo negócio de TV e filmes do grupo, o 21st Century Fox Inc, em junho.

Estímulo às vendas

A aquisição pode ajudar a estimular as vendas da unidades de livros da News Corp., que obteve US$1,4 bilhão no último ano fiscal ou cerca de 15% da receita total. A unidade de livros agora pode responder por cerca de 20% das vendas totais da News Corp., de acordo com Eric Katz, analista de mídia da Wells Fargo Securities, LLC.

A Harlequin obteve 398 milhões de dólares canadenses em receitas no ano passado, respondendo por 29% das vendas da Torstar e 32% de suas receitas, antes dos juros, impostos, depreciação e amortização.

Contudo, esse é um negócio que está encolhendo, já que os editores enfrentam uma mudança nos preços, com os livros digitais se tornando mais populares. Além disso, o sucesso de “Cinquenta Tons de Cinza”, que criou um novo tipo de romance erótico, reduziu as receitas da Harlequin, em queda desde 2009. O declínio se acelerou a 9,5% no quarto trimestre.

O Alquimista

Além disso, uma dor de cabeça jurídica prestes a acabar voltou à tona. Um tribunal de apelação dos Estados Unidos em Nova York retomou na quinta-feira alguns processos de um grupo de autores que representam mil romancistas por seus direitos nas vendas de livros eletrônicos. Um juiz distrital dos EUA tinha rejeitado a ação no ano passado.

Os autores da Harlequin se juntarão às fileiras da HarperCollins, que publicaram Joyce Carol Oates, autor de “Blonde” e Paulo Coelho, de “O Alquimista”.

A Harlequin tem mais de mil funcionários em todo o mundo, sendo mais de 350 no Canadá. A Torstar também é dona do jornal canadense líder de vendas Toronto Star.

Você pode gostar