País 'economiza' US$ 7 bi diminuindo queimadas

Ministro do Meio Ambiente levará números à Cop 21, em Paris, para ter acesso a tecnologias como o pasto degradável, que leva o gado a reduzir a emissão de CO2

Por karilayn.areias

Rio - Sete bilhões de dólares. É com este cacife que o governo brasileiro vai sentar à mesa na próxima rodada da Cop 21 (Conferência Mundial sobre Meio Ambiente), em dezembro, na França. Segundo a ministra do Meio Ambiente, Isabella Teixeira, o valor economizado pelo Brasil ao reduzir as queimadas na Amazônia, desde 2004, servirá de apelo para se obter verbas a pesquisas agropecuárias e tecnologias como a do pasto orgânico, que diminui a poluição causada pelo arroto do gado.

O cenário desolador das queimadas. Além de prejuízo ambiental%2C desperdício com perda de madeira que poderia estar sendo exportadaReuters

“O efeito estufa e o lançamento de CO2 na atmosfera serão os temas centrais”, disse a ministra, durante o Segundo Encontro Nacional de Editoress e Blogueiros (Enecob), no Hotel Kubitscheck Plaza, em Brasília. “Planejamos a meta voluntária para alcançar até 2020, mas reduzimos 76%. Isso gera economia aproximada de até 7 bilhões de dólares.”

O objetivo é sair dos 27 mil km quadrados queimados, em 2004, para 3.900 km quadrados até 2020. “O Brasil é um player internacional. Não há solução em Paris (Cop 21) se o Brasil não estiver a bordo, assim como se os EUA não estiverem.”

Com esta valorização, a ministra acredita que conseguirá compensações para melhorar ainda mais os índices. Ela lembra que o Brasil chegou a ser o terceiro maior emissor de monóxido de carbono na atmosfera, quando atingiu o pique máximo de queimadas. “É preciso fazer com que todos os países tenham compromissos compulsórios de emitir menos. Somos o único país em desenvolvimento que tem uma política de metas para redução da emissão.”

Ela lembrou que, além das queimadas, a agricultura também é responsável por fazer do país um emissor de poluentes. Segundo a ministra, a FAO reconhece o potencial do Brasil na produção de alimentos e na luta contra a fome. Por isso o foco em adquirir tecnologias agrícolas que ajudem a melhorar ainda mais seu desempenho. “Alguém vai ter que pagar por isso. Restaurar pastagem tem a ver com diminuir a pressão por novas áreas, e isso evita o desmatamento. E ainda se mexe na dieta do boi.”

Com a carta na manga, Isabella aposta no sucesso do Brasil na Cop 21. “Isso significa dinheiro, tecnologia, investimento. Atender a demanda global de alimentos custa dinheiro.”

Isabella Teixeira durante o encontro em Brasília%2C que aconteceu durante a semana%3A pragmáticaDivulgação

Crítica à poluição dos rios paulistas

A poluição dos rios Tietê e Pinheiros, verdadeiros valões ao ar livre que cruzam a capital São Paulo, foi muito criticada pela ministra durante o encontro em Brasília. Para Isabella, já passou da hora de o brasileiro entender que as ações de sustentabilidade precisam acontecer em seus próprios quintais, e não apenas na Amazônia. Ela acredita que a cultura de criticar o desmatamento e desperdiçar água em casa precisa mudar.

“São Paulo tem toda esta escassez de água e dois rios imensos cruzando a cidade, mas totalmente poluídos. Porque não questionam esta poluição?”, perguntou a ministra.

Ela citou Cingapura como um exemplo a ser seguido, já que o país asiático tem 100% de água de reúso utilizada. “Além destes rios, São Paulo também tem um terceiro, que foi canalizado, mas também está poluído. Cingapura alcançou este status com investimentos. Isto é tecnologia, tem que botar dinheiro.”

No fim do encontro, ela pregou uma maior conscientização dos brasileiros diante da crise hídrica pela qual o país passa. “A sociedade brasileira precisa estar engajada na nova escolha dos caminhos de seu desenvolvimento.”

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia