Mais Lidas

Analistas esperam alto grau de volatilidade nos negócios em meio a preocupações sobre o possível avanço dos juros nos EUA e expectativa pela divulgação do balanço da Petrobras

Por parroyo

Após três pregões de queda e dois de ganhos, o Ibovespa termina a primeira semana cheia de 2015 com leve alta de 0,68%. Entretanto, no ano, o saldo é negativo, com desvalorização de 2,33%. Em meio ao recuo gradativo no preço do petróleo, expectativa pela divulgação do balanço não auditado da Petrobras e preocupações sobre a elevação da taxa de juros nos Estados Unidos, o principal índice da Bovespa segue com viés de baixa para os próximas sessões. De acordo com analistas, a palavra da vez no mercado acionário é “volatilidade”.

Nesta sexta-feira, o Ibovespa sofreu pressão principalmente do setor elétrico e fechou com desvalorização de 2,21%, aos 48.840 pontos. “Esperamos bastante volatilidade na próxima semana, mas se o índice ultrapassar os 51 mil pontos, pode haver uma recuperação. Entretanto, se perder o patamar dos 47.200 pontos, a tendência é que caia até os 45.800 pontos - a mínima do mês de dezembro”, pontuou o analista da Clear Corretora, Fernando Goes.

O estrategista-chefe do Banco Mizuho, Luciano Rostagno, acredita que o desempenho do Ibovespa vai refletir principalmente a divulgação dos indicadores econômicos. Na agenda do Brasil, um dos destaques será o dado de vendas no varejo referente a novembro, a ser conhecido na quarta-feira. Na quinta-feira, será divulgado o IBC-BR também de novembro - o índice do Banco Central é considerado uma prévia do Produto Interno Bruto (PIB). A consultoria LCA projeta queda de 0,4% na comparação mensal. Vale destacar que a Petrobras se comprometeu em divulgar o balanço do terceiro trimestre do ano passado, não auditado, até o fim de janeiro – ou seja, pode sair a qualquer momento.

Nos Estados Unidos, os discursos dos presidentes regionais do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) devem globalizar as apostas sobre quando começará a escalada dos juros. Após dados fortes do mercado de trabalho do país – a taxa de desemprego é a menor dos últimos seis anos (5,6%) - os agentes avaliam a possibilidade de o Fed promover um aperto monetário.

“Mesmo diante do recuo da taxa de desemprego, os salários tiveram queda em dezembro. Além disso, a delicada situação da economia da Europa e do Japão deve fazer a autoridade monetária precificar um risco de contágio. Em meio ao cenário, a alta do juro deve ficar mais para o meio do ano”, afirmou Rostagno, para quem os indicadores de oferta e demanda da agenda norte-americana devem ser olhados com atenção. Na quarta-feira, será divulgado o número de vendas no varejo referentes a dezembro. Na sexta-feira, a produção industrial de dezembro será conhecida.

Na China, a agenda traz dados da balança comercial, empréstimos e crédito – todos referentes ao último mês de 2014. Os números geralmente mexem com as ações de empresas ligadas às commodities no Brasil.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia