Creche terá nome de professora

Heley de Abreu morreu no incêndio impedindo vigia de fazer novas vítimas. Local deve abrir em 80 dias

Por

Aprefeitura de Janaúba vai reinaugurar em até 80 dias a creche onde ocorreu um ataque que deixou dez pessoas mortas com o nome da professora Heley de Abreu, morta no incêndio.

Em entrevista ontem ao Estado, o prefeito Carlos Isaildon Mendes (PSDB) afirmou que um grupo de empresários da região vai assumir a reforma. A professora, que lutou contra o vigilante Damião Soares dos Santos, responsável pelo incêndio, evitando a morte de mais crianças, foi homenageada com a Ordem Nacional do Mérito, concedida pelo presidente Michel Temer.

No sábado, o prefeito se reuniu com a Polícia Civil, secretários do município, engenheiros e arquitetos de Janaúba e de Montes Claros, principal cidade da região norte de Minas. "Os empresários vão assumir todo o custo da reforma da creche, descaracterizando todo o ambiente que aquelas crianças presenciaram", garantiu.

Técnicos fizeram medições no imóvel, vistoriado e fotografado para a reforma. "Só saberemos exatamente o que vai ocorrer com o prédio após a entrega do projeto arquitetônico" disse o prefeito.

A professora de 43 anos é considerada uma "heroína" na cidade. De acordo com testemunhas, Heley tentava socorrer as crianças em meio ao incêndio quando percebeu que o vigilante estava retornando ao local, com mais combustível e um palito de fósforo nas mãos. Ela tentou impedir o criminoso e os dois chegaram a entrar em luta corporal.

Duas crianças que inalaram fumaça no incêndio tiveram alta ontem. Outras 24 vítimas continuam internadas em estado grave.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários