MAIORES GANHOS, SÓ COM MAIORES RISCOS

Por

Por favor, memorize ou anote essas datas: 23/07, 10/09 e 01/10. Todas deste ano. Numa delas eu escrevi sobre as vantagens do Tesouro Direto. Na outra eu expliquei que o Tesouro Direto é uma ótima alternativa para a Renda Fixa. Depois,afirmei que a Renda Fixa continuaria sendo mais atraente do que a poupança, mesmo em época de juros baixos. Daí que os saques nas cadernetas voltaram a superar os depósitos, depois de cinco meses de saldo positivo. Em outubro, houve mais retiradas do que entradas. O resultado negativo foi de R$ 2 bilhões.

O que está acontecendo, como previsto, é que as pessoas passaram a procurar um refúgio para o dinheirinho que sobra. E estão descobrindo, como foi avisado aqui na coluna de 23/07, que o lugar desse dinheirinho é na Renda Fixa.

A fuga de R$ 2 bilhões das cadernetas mostra que muita gente entendeu o recado dado na coluna de 10/09, quando eu alertei que "a poupança é proibida de ser um bom negócio". Com os juros oficiais do Banco Central abaixo de 8,5% (hoje estão em 7,5%), os rendimentos das cadernetas deixam de ser de 0,5% ao mês (mais a Taxa Referencial TR) e passam a ser de apenas 70% da taxa Selic do BC.

Melhor ainda se, para chegar ao refúgio escolhido, a pessoa seguir a trilha do Tesouro Direto, que também leva à Renda Fixa, tema da coluna de 01/10, que destaca as vantagens de se investir em títulos públicos, por meio de corretoras confiáveis, mas sem intermediação dos bancos.

Não há como alegar que os saques da poupança foram maiores que os depósitos por causa da inflação ou do desemprego. A inflação está hoje entre as mais baixas da história, e o desemprego, mesmo sendo dos mais altos, não impediu que houvesse ganhos de depósitos de maio a setembro. Fato é que a longa temporada de juros baixos vai obrigar boa parcela dos brasileiros a buscar alternativas de aplicações variáveis e instáveis, do tipo "maiores ganhos, só com maiores riscos". Em geral, claro, os donos de cadernetas vão ficar onde estão, seduzidos pela simplicidade voluntária da poupança. São mais de 100 milhões de brasileiros que já guardam lá R$ 695,216 bilhões. Enfim. volto a este assunto quando a marca dos R$ 700 bi for definitivamente alcançada.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários