Caetano tenta controlar as labaredas da crise no Fla

Após maus resultados, diretor de futebol dá uma de bombeiro para tentar apagar o 'incêndio' na luta pela Libertadores

Por

Rodrigo Caetano, diretor-executivo de futebol do Flamengo, concede entrevista coletiva após o treino, no Ninho do Urubu
Rodrigo Caetano, diretor-executivo de futebol do Flamengo, concede entrevista coletiva após o treino, no Ninho do Urubu -

No papel de bombeiro, o diretor-executivo de futebol do Flamengo, Rodrigo Caetano, tenta controlar o fogo. As labaredas da crise, aos poucos, consomem o trabalho realizado no clube nesta reta final de temporada. Reinaldo Rueda, antes quase unanimidade, está queimado. A fim de dar uma satisfação que acalme a torcida, o dirigente se apresentou, ontem, para conceder entrevista, no Ninho do Urubu.

"São avaliações externas que passam a ser verdade. Rueda completou apenas três meses no clube na terça-feira. Sempre foi muito transparente. O abatimento não é só dele. Quem tem responsabilidade se abate. A forma de o Rueda atuar é de quem passa informação e depois exige que os atletas cumpram. Nós temos expectativa de que esse grupo responda", afirmou Rodrigo Caetano.

"Esse imediatismo é natural do futebol. Até o momento, o time não encaixou, devido ao pouco tempo de trabalho. Nosso sentimento é de indignação e frustração. Nossa campanha fora de casa é pífia, mas fizemos a 78ª partida. Teve muito pouco tempo para treinar. Podemos ter 84 jogos. É muita coisa. Esperamos que a gente consiga dar ao Rueda, na pré-temporada, tempo para consolidar o método dele", completou.

Ao fazer planos para o ano que vem com Rueda, Caetano evita jogar gasolina no incêndio. O futuro do clube, no entanto, passa pela definição das vagas na Libertadores. Se o Rubro-Negro ficar fora da competição, mudanças profundas podem acontecer, embora Caetano evite previsões pessimistas.

"Primeiro, identificamos necessidades e carências. Devemos ter saídas. Mas não fomos ao mercado ainda. A vaga na Libertadores é importante, mas vamos fazer o melhor time possível para qualquer competição. Como fizemos contratações, natural que busquemos contratações pontuais", disse.

Adriano, o Imperador, já se ofereceu para jogar de graça. "Certamente era desejo de ter estado aqui antes, mas não tem como responder agora", concluiu Caetano.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários