Mais Lidas

Para recuperar parte da remuneração, muitos deles estão recorrendo até a dança e ao teatro para reconquistar o consumidor e o famoso 'faz-me rir'

Por karilayn.areias

Rio - Profissionais de diversos ramos, que perderam a renda extra das gorjetas nesses tempos bicudos da economia, estão tendo agora tendo até que rebolar para conseguir um incremento na renda fixa. Vale quase tudo para, pelo menos, abrandar o perrengue nas contas no final do mês. Nos edifícios, as famosas caixinhas e livros de ouro já começam a fazer parte do visual nas portarias.

Amílson%2C entregador de produtosde uma farmácia%2C recebe gorjetassempre das mesmas pessoas Marcio Mercante / AG. ODIA

O presidente do Sindicato dos Garçons, Barmens e Maítres (SIGABAM-RJ), Antônio dos Anjos, conta que no caso dos 9 mil garçons do Rio em atividade, os ganhos estão três vezes menores que há cinco anos. "Hoje, recebem pouco mais que o piso, de R$ 1.080.65. Já ganharam mais de R$ 3 mil, em média".

Para recuperar parte da remuneração, muitos deles estão recorrendo até a dança e ao teatro para reconquistar o consumidor e, claro, o famoso "faz-me rir" (dinheiro, na gíria). "Os tempos são outros. Além de servir bem, o garçom tem que se transformar em artista. Cliente bem atendido, volta, e faz questão de dar os 10%", justifica, com a propriedade de quem já foi garçom, Max Pires. Pesquisas indicam que mau atendimento representa 70% dos motivos pelos quais as pessoas não voltam ou não dão gorjetas.

Max Pires (de cinza à esquerda) já concedeu 10 mil certifi cados a ‘garçons-artistas’ que ele formouDivulgação

De tanto vivenciar isso, Max, conhecido como o "encantador de clientes", inventou um curso, o Garçom Vendedor, que ensina os profissionais de bares e restaurantes a potencializar as caixinhas, aumentando em até 30% a receita fora do contracheque, "vendendo bom humor". O treinamento envolve dança, teatro, oratória, mímica e expressões corporais.

"Sem ser inconveniente, o garçom tem que ser agradável. Pesquisa do Instituto Food Service Brasil diz que a ligação de um cliente com um restaurante está relacionada ao fator emocional. Ou seja, se ele é bem tratado, certamente regressará. Mais que fidelizar, é preciso `fãdelizar o cliente, pois a boa recepção conta mais que a própria qualidade da comida e o preço", diz Max. Ele diz que já emitiu mais de 10 mil certificados pelo Brasil e de 21 a 23 deste mês, aplicará o curso no Rio (detalhes em garcomvendedor.com.br).

Ex-garçom%2C o carioca Max Pires criou um curso que transforma atendentes de bares e restaurantes em verdadeiros artistasDivulgação

O garçom Pedro Ivo, 39, é um "malabarista", como se define. Faz dupla jornada de 9h as 2h da madrugada, no Restaurante Brasa Show, em Benfica, na Zona Norte, e em casas de festas da Zona Sul. O esforço é para sustentar três filhos. "Já fiz mágica. Só não sei cantar. O resto eu encaro", brinca Pedro. Elee se "vira nos trinta" em tês ônibus, metrô e vans para dar conta do recado.

Ivo Leite, 39, é um dos queridinhos dos frequentadores do Empório de Fátima, no Cadeg, pela simpatia. "Conto até piada se me pedirem pela gorjeta, que com pagamento em cartões, andam meio sumidas", comenta.

Em Vila Isabel, 30 funcionários do Edifício Eldorado, já espalharam seis caixinhas de Natal pelos cinco blocos e garagem. "Os moradores são sempre generosos. Porteiros, por exemplo, conseguem dobrar os salários", revela o administrador, Paulo Scalércio.

 Entregadores no sufoco também

Wagner (dir.) dá as gorjetas pagas no cartão a LuizDivulgação

Entregadores em domicílio também amargam a queda na arrecadação de dinheirinho extra. Amílson Rodrigues Pereira, de 29 anos, trabalha na Drogaria Brasil, na Lapa, e fatura em torno de R$ 200 por mês com gorjetas ao fazer entregas em residências e empresas. Lembra que no ano passado a situação estava bem melhor. "Geralmente os idosos, que pedem mais por telefone, dão gorjetas. Os jovens dificilmente dão o agradinho. Garante meu lanche", brinca. Além da grana curta, há ainda o problema do uso dos cartões. A maioria não paga nem um centavo a mais quando o produto chega à residência. Luiz Camillo, 32, porém, comemora. Ele e mais dois entregadores entraram em acordo com o patrão, Wagner Teixeira, 38, dono da Artesanos Hamburgueria, em Vila Isabel. "Ele nos repassa as gratificações que recebemos no cartão", diz. "É justo e todos trabalham bem humorados", dá a dica Wagner.

 

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia