Crescem pedidos de benefício no INSS

No Rio, de janeiro a novembro foram concedidas 112.170 aposentadorias ante 96.496 do ano passado

Por

Eliseu Padilha participa da comemoração de 10 anos do Programa EAD - Fundação Ulysses Guimarães
Eliseu Padilha participa da comemoração de 10 anos do Programa EAD - Fundação Ulysses Guimarães -

As idas e vindas nas tentativas do governo de aprovar a Reforma da Previdência em 2017 não ditaram as discussões só em Brasília. Os pedidos de entrada de aposentadoria no INSS aumentavam ou diminuíam ao longo do ano, conforme a chance de o texto passar no Congresso mudava.

Somente no Rio de Janeiro, de acordo com dados da Previdência, de janeiro a novembro foram concedidas 112.170 aposentadorias. Em igual período do ano passado foram 96.496. Ou seja, alta de 16,2% nos pedidos. Já em todo país, de janeiro a outubro, foram 7,9 milhões de pedidos de benefício - um aumento de quase 10% em relação ao mesmo período do ano passado.

Em maio, com o governo encurralado após a divulgação da gravação entre o presidente Michel Temer e o empresário Joesley Batista, da JBS, o número de pedidos saltou de 9.019 (2016) para 11.504 (2017). Em agosto, quando a reforma estava sofrendo alterações, os números subiram de 8.676 do ano passado para 11.112. Já em outubro, quando o governo dava como certo ter o número de votos para sua aprovação, os pedidos saltaram de 8.980 (2016) para 11.418.

"A oscilação pode refletir os ânimos da reforma e o comportamento da série aponta uma minicorrida que foi contida pelo episódio da JBS. Talvez em fevereiro, quando o governo fará uma nova tentativa de aprovação, ocorra um novo movimento", disse à Agência Estadão Conteúdo o economista da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), Paulo Tafner.

Ontem, a Procuradora-Geral da República, Raquel Dodge, ingressou com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) contra a abertura de crédito suplementar de R$ 99 milhões para bancar a propaganda do governo sobre a Reforma da Previdência. A ação pede a suspensão da campanha em caráter liminar, portanto ainda será analisada pelo Supremo Tribunal federal (STF).

O entendimento da Procuradoria é que é inconstitucional aplicar os recursos para custeio de uma propaganda governamental sem dar espaço para opiniões divergentes.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários