Até 20 anos para cunhado de Hickmann

MP incrimina Gustavo Correia por homicídio doloso

Por

Ana Hickmann
Ana Hickmann -

O Ministério Público de Minas Gerais vai pedir pena de seis a 20 anos de prisão para Gustavo Correia, cunhado da apresentadora Ana Hickmann. Ele é acusado da morte do suposto fã da estrela, Rodrigo Augusto de Pádua, em um hotel de Belo Horizonte, em maio do ano passado.

Os advogados alegam legítima defesa. O promotor Francisco Santiago afirma que houve homicídio simples. "A lei diz que você pode se defender, mesmo que tenha que matar. A pessoa já havia sido dominada e levou três tiros na nuca", disse. "Tenho que me ater ao que minha consciência manda."

O irmão de Rodrigo de Pádua foi ouvido. Na chegada ao fórum, Helisson Augusto de Pádua afirmou que o irmão poderia estar vivo. "O início da ação era uma coisa. O final, outra. Se a Justiça está denunciando, é por ter provas suficientes de que o que aconteceu passou dos limites. Não estou justificando o jeito como ele chegou (ao hotel). Mas meu irmão poderia estar vivo", opinou.

RELEMBRE O CASO

Rodrigo era de Juiz de Fora (MG) e se hospedou no mesmo hotel em que a apresentadora estava para lançamento de um produto.

Depois do almoço, o suposto fã, armado, rendeu o cunhado da apresentadora no lobby do hotel e o obrigou a levá-lo até o quarto da apresentadora, que estava com a assessora Giovana Oliveira, esposa de Gustavo.

O invasor disse aos três que ficassem de costas e passou a xingar Ana Hickmann. Em seguida, fez disparos e atingiu Giovana.

Gustavo reagiu, lutou com Rodrigo e o matou utilizando a arma do fã. Após ser baleada, Giovana ficou internada por 15 dias.

A família de Rodrigo Augusto de Pádua sabia do fascínio do jovem pela modelo.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários