Por paulo.gomes

Rio - Falta de oportunidade de crescimento profissional, divergências com o chefe, remuneração e dificuldade de adaptação com a cultura da empresa. Estes são alguns dos motivos de quem está insatisfeito no trabalho e busca recolocação. O que alguns talvez não saibam é que os postos de recrutamento de vagas como o do Sistema Nacional de Emprego da Secretaria Estadual de Trabalho e Renda (Sine/Setrab-RJ) e da Central de Apoio ao Trabalhador (CAT-RJ) aceitam inscrições de pessoas que já estão no mercado de trabalho.

O Sine/Setrab tem 66 postos de atendimento em todo o Estado do Rio que aceitam inscrições de vagas em abertoSeverino Silva / Agência O Dia

Secretário Estadual de Trabalho e Renda, Sérgio Romay diz que são 66 postos do Sine/Setrab espalhados por todo o estado à disposição tanto de pessoas na ativa quanto de desempregados.

“Damos a prioridade aqueles sem trabalho, mas qualquer pessoa que também esteja trabalhando e que busca recolocação pode procurar os postos do Sine/Setrab que serão prontamente atendidas”, afirma. O secretário de Trabalho do Estado informa ainda que há parcerias com diversas empresas, sindicatos e associações na busca de mão de obra. “A Firjan e a Fecomércio, por exemplo, são nossos parceiros para captar profissionais”, comenta Romay.

A Central de Atendimento ao Trabalhador da Prefeitura do Rio, em São Cristóvão, além de aceitar cadastros de trabalhadores da ativa, não prioriza desempregados.

“O encaminhamento é de acordo com o perfil da vaga”, informa Patrícia Lanes, supervisora de captação de vagas da CAT-RJ. O vigilante Nelson, de 50 anos, que pediu para não ter seu sobrenome revelado para não prejudicar em seu emprego atual, esteve na Central na última semana em busca de recolocação. Ganhando R$ 1,2 mil por mês, ele quer um emprego que lhe pague melhor.

“Sou casado, tenho uma filha de 15 anos e pago aluguel. Se minha mulher não trabalhasse, não poderia pagar as contas. Quero uma chance com salário de R$ 2 mil”.

Dicas e alertas

Patrícia Lanes relata que, numa entrevista de emprego, o profissional não deve avaliar a atual empresa de forma negativa. “Ele pode dizer que busca novos desafios, uma nova área ou mais qualidade de vida no trabalho sem criticar o emprego em que está”, orienta.

Diretora de Recursos Humanos da consultoria Mira RH, Fátima Mangueira sinaliza as redes sociais como ferramentas eficazes na busca por recolocação.

“O Linkedin é uma ótima opção, mas é uma rede social profissional voltada para cargos mais executivos. Temos também o Twitter e o Facebook. Neste último há grupos de vagas, para diversos cargos, desde níveis os mais operacionais até os mais executivos”, ensina a especialista de RH. Ela alerta, entretanto, que no Facebook o candidato deve ter cuidado com seus comentários e fotos postados. “Afinal, os recrutadores visitam os perfis”, explica.

O gasista Marcelo Gomes foi ao posto da Setrab e está confiante em conseguir um novo empregoSeverino Silva / Agência O Dia

Fazer contatos

Networking - Consultor de RH, Maurício Seixo conta que existem vários canais para se buscar recolocação. Porém, ele diz que nenhum é mais eficiente do que trabalhar seu networking. “Entrar em contato, conversar com pessoas conhecidas. Quem não aparece não é lembrado. Porém, é preciso investir tempo ”, ensina.

Pedir demissão? - Seixo classifica como um erro pedir demissão para buscar um novo emprego. “Além de não tem certeza de quanto tempo será necessário para se recolocar, a questão financeira começará a preocupar e trabalhador acabará aceitando qualquer coisa. A pessoa também perde a capacidade de negociação”, diz.

Insatisfação - Jean Pierre, autor do livro ‘Avaliação de Desempenho Humano’, da editora Elsevier, elenca os principais motivos de quem busca recolocação. “Insatisfação com o clima organizacional da empresa atual, falta de oportunidade de crescimento profissional, cultura da empresa, divergências com o chefe e remuneração são os mais recorrentes”, aponta o especialista.

Como e onde se inscrever

Marcelo Gomes Lopes, de 38 anos, é gasista (profissional que atua na montagem e manutenção de instalações de gás em residências, indústrias e vias públicas), mas está desempregado. Ele esteve na semana passada no posto do Sine/Setrab do Menezes Cortes, no Centro, onde se cadastrou e se disse estar confiante em conseguir novo emprego.

“É a primeira vez que venho aqui. Busco uma nova oportunidade. Procuro vaga para manutenção predial”, relata o profissional.

Para se inscrever tanto no Sine/Setrab e quanto na CAT-RJ, o intressado precisa apresentar carteira de trabalho, CPF, identidade, número de inscrição de PIS/Pasep e comprovante de residência.

Informações sobre vagas e o endereços dos postos do Sine/Setrab ligue para 2332-9999 ou www.rj.gov.br/web/setrab.

A Central de Apoio ao Trabalhador (CAT-RJ) fica na Rua Chaves Faria 260, em São Cristóvão. Mais informações: 3031-3636 ou www.catrj.org.br.

Você pode gostar