Por monica.lima
Nesta sexta-feira%2C na Assembleia Legislativa%2C o PP de Paulo Maluf anuncia o apoio a Alexandre PadilhaIgo Estrela / Agencia Brasil

O pré-candidato do PT ao governo de São Paulo, o ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha, tem conseguido atrair apoio de adversários para sua campanha. Depois de receber a adesão do atual deputado federal e ex-prefeito de São Bernardo do Campo William Dib, do PSDB (o parlamentar rompeu com o governador Geraldo Alckmin e decidiu apoiar o petista e o presidenciável Eduardo Campos, do PSB), Padilha trouxe para suas fileiras o ex-secretário-adjunto de Educação do governo tucano João Cardoso Palma Filho. Palma esteve na gestão de Alckmin até o final do ano passado. Era também vice-presidente do Conselho Estadual de Educação e deixou o governo após defender posições de interesse de sindicalistas.

Em uma votação na comissão paritária do conselho, Palma se colocou a favor do direito de profissionais da rede de ensino terem suas faltas justificadas ao participar de atividades sindicais. E entrou em conflito com integrantes do governo. Agora, o ex-auxiliar de Alckmin tem participado de encontros e grupos de trabalho da equipe de Padilha. No interior paulista, Padilha também tem conseguido apoio de prefeitos do PMDB - cujo candidato a governador é Paulo Skaf -, e até de alguns do PSDB, segundo sua assessoria. Na cidade de Adamantina, o vereador tucano Luiz Carlos Galvão enviou ofício ao prefeito Ivo Santos, do mesmo partido, alertando-o sobre “consequências desastrosas” caso ele recebesse o pré-candidato petista. Ainda assim, o prefeito recebeu Padilha. Hoje, na Assembleia Legislativa, o PP de Paulo Maluf anuncia o apoio ao petista.

Nova geração

Do total de 28 prefeitos do PP no estado de São Paulo, 16 têm menos de 50 anos. Para o PT, que recebe hoje a adesão dos pepistas, este é um sinal de que o partido não é mais malufista. O ex-governador paulista tem hoje 83 anos. Onze dessas 28 prefeituras do PP têm coligação com o PT.

Frente pede elevação de tarifa de produto

O deputado Vanderlei Siraque (PT-SP) encaminhou ofício ao ministro da Fazenda, Guido Mantega, pedindo a inclusão do bicarbonato de sódio na Lista de Exceção à Tarifa Externa Comum. Siraque, presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Competitividade do Setor Químico e Petroquímico, pede a elevação tarifária do produto de 10% - a atual alíquota -, para 35%. O bicarbonato de sódio é utilizado, entre outras coisas, para o tratamento de hemodiálise. O produto hoje do Brasil não consegue competir com os preços da Bélgica, Espanha e China. A fabricante Química Geral do Nordeste, da Bahia, ameaça fechar.

Assessor de Aécio critica governo de SP

O ex-deputado Fábio Feldmann, anunciado em maio como o responsável pela área de meio ambiente do programa de governo de Aécio Neves, surpreendeu ao criticar o governo tucano de São Paulo, em entrevista a ser publicada hoje no site da revista Brasileiros, por causa da crise no abastecimento de água. “Os governos, especialmente o de São Paulo, negligenciaram a crise. Simplesmente não vai ter água, ponto, acabou”, diz o ex- secretário de Meio Ambiente de SP no governo Covas.

‘Campanha da Sabesp parece uma loucura’

Feldmann também critica a forma como a gestão Alckmin tem lidado com a extração do chamado volume morto do Cantareira, que elevou o índice do reservatório. “A campanha da Sabesp dizendo que aumentou o volume morto para 28% me parece uma loucura. Sinaliza para a sociedade que estamos com a situação sob controle, quando não estamos.”

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Com Leonardo Fuhrmann

Você pode gostar