Por O Dia

Defensor do apoio de seu partido ao presidenciável Aécio Neves (PSDB), o governador de Minas Gerais, Alberto Pinto Coelho (PP), esteve reunido terça-feira com a bancada pepista na Câmara dos Deputados. Ele defendeu que o PP apoie nacionalmente o tucano ou fique neutro, liberando cada um dos diretórios estaduais para escolher com qual candidato estarão no plano nacional, conforme as alianças regionais. No nível federal, o partido é aliado da presidente Dilma Rousseff (PT) e controla o Ministério das Cidades, atualmente comandado por Gilberto Magalhães Occhi, além de ter outros cargos de confiança dentro da administração pública nacional. Coelho é o único governador do PP atualmente. Ele era vice de Antonio Anastasia (PSDB), que renunciou para concorrer a uma vaga no Senado.

Além de Minas, a campanha de Aécio conta com a simpatia de pepistas principalmente em estados como Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Nos dois, existe a possibilidade de aliança entre os dois. Em Santa Catarina, os tucanos se afastaram do governador Raimundo Colombo (PSD), por ele ter se tornado um aliado de Dilma. O PP também pode acabar ficando fora da composição pela reeleição de Colombo por pressão do PMDB, por conta de uma rivalidade histórica no Estado. O PP gaúcho negociava uma chapa com o PSB para apoiar o nome da senadora Ana Amélia (PP-RS) ao Palácio Piratini. Mas os socialistas preferiram ficar ao lado do PMDB, que lançou Ivo Sartori para enfrentar Tarso Genro (PT), candidato à reeleição. Sem um nome forte no Estado, os tucanos tentam uma coligação com o PP para garantir um palanque competitivo para Aécio.

Aposta do partido

A senadora Ana Amélia é cogitada pelos tucanos para ser vice de Aécio, caso os dois partidos se tornem aliados no plano federal. O PP prefere, por ora, que ela dispute o governo gaúcho. Bem colocada nas pesquisas, a parlamentar é uma das apostas do partido, que não fez nenhum governador em 2010.

Questão de sangue

Aécio também conta com alguma simpatia dentro do PP do Rio. A questão, no caso, é familiar. 
O senador Francisco Dornelles é seu primo. Os laços de parentesco do tucano são fortes no Estado: a primeira mulher do ex-governador Sergio Cabral (PMDB), Suzana Neves, também é da sua família.

Ainda com Dilma

Apesar de admitir a existência de apoiadores do tucano nos quatro estados, líderes nacionais garantem que o partido estará ao lado da reeleição de Dilma. Afirmam que é o desejo da maioria. Confirmam as divergências nos quatro estados, mas dizem que apenas em Minas o grupo pró-Aécio é maioria absoluta.

Outro honoris causa para FHC

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) vai receber o título de “Doctor Philosophae Honoris Causa” da Universidade de Tel Aviv no próximo dia 15. Primeiro sul-americano a receber a honraria, ele viaja ao país a convite da Sociedade Brasileira dos Amigos da instituição, comandada pelo empresário Mario Arthur Adler, ex-controlador da Brinquedos Estrela. Três dias depois, FHC deve ser recebido, em Jerusalém, pelo presidente de Israel, Simon Peres.

Israel também recebe missão empresarial

No mesmo período, a Câmara Brasil-Israel de Indústria e Comércio organiza uma missão empresarial ao país. Os integrantes do grupo vão conhecer a Ramot, companhia de transferência de tecnologia da Universidade de Tel Aviv. Os empresários também devem acompanhar a homenagem a FHC, além de participar com ele de um jantar no país visitado.

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Com Leonardo Fuhrmann

Últimas de _legado_Notícia