Por monica.lima

O dado indelével, inexorável é que as cidades não têm como alargar ruas e avenidas. Seja por razões históricas ou financeiras, elas vão continuar exatamente como estão, em que pese uma ou outra interferência como a do Porto Maravilha, no Rio, que traz em seu bojo a negação do carro. O discurso oficial dos burgomestres do Rio e de São Paulo é contra o automóvel, como se ao tirar o sofá da sala fosse arrefecer o tesão dos noivos....

Plymouth Fury 1969%2C com 5%2C30 m e o smart%2C com 2%2C7 m.Divulgação

Negar a indústria que gera um terço da riqueza do país é uma atitude, no mínimo, estúpida. Porque não o caminho do meio? Grandes metrópoles como Tóquio, por exemplo, cobram taxas sobre carros pelo espaço que eles ocupam. Alternativas em projetos racionais já podem ser vistos nas ruas. Caso do 500 da Fiat, o smart, que tem a facilidade de estacionar de frente nas vagas, medida decretada pela prefeitura de Paris. Ainda há os triciclos. Leves, econômicos e fáceis de estacionar e, o melhor, fechados, com som, conectividade e ar- condicionado para dois ocupantes.

A lógica de reduzir os carros não só é possível como desejável. O exemplo está nas fotos: a Plymouth Fury 1969, com 5,30 m e o smart, com 2,7 m.

Assim, pipocam opções que o conservadorismo ainda não absorveu. Muitos compram carros por metro e arrastam um porta-malas vazio ou cheio de tralhas. Muitos buscam só o status. Vamos arejar as ideias. Os pequenos já oferecem conforto e segurança. Câmbio automático, ar digital, seis airbags. Itens encontrados no 500, carrinho que pesa 40 quilos menos que o médio Punto.

Critério técnico e legislação de segurança explicam os dados. Idem para o smart, que surpreende nos ‘crashs’ e apesar das dimensões — são 2,7 m — protege mais do que o Plymouth Fury 1969, que tem 5,30 m ou os grandes sedãs chineses e coreanos. A questão é reduzir os projetos. A cultura de consumo deles virá com facilidades fiscais e legais, como perímetros para determinados carros e energias alternativas. A sabedoria de quem fabrica tem que encontrar a burocracia de forma a mudar o curso das coisas, sem o blá blá blá oficial do transporte público que não existe e, quando existe, é inseguro.

PONTO-A-PONTO

A Toyota se manteve à frente na produção mundial no primeiro semestre com 5,09 milhões de unidades. A VW aparece em segundo, desbancando a GM, com 4,97 milhões. A americana de Detroit, em dificuldades jurídicas, entregou 4,92 milhões de veículos e caiu para terceiro lugar. Mesmo assim, a GM, como as demais, teve crescimento percentual.

Acionistas da Fiat aprovaram a fusão com a Chrysler e a criação da FCA, Fiat-Chrysler Automóveis, que terá sede em Londres e incluirá as marcas Fiat, Maserati, Alfa Romeo, Ferrari e Lancia, além de Jeep, Ram, Dodge e Chrysler.

O Pajero Sport 2015 chega com motor de 180 cv, câmbio automático 5 e oito airbags. Versões a partir de R$ 147 mil.

A Reciclanip, que cuida da destinação de pneus inservíveis promete investir R$ 99 milhões em 2014. O destino principal é o asfalto borracha, que melhora a durabilidade do pavimento.

A Zona Franca de Manaus, com incentivos prorrogados por mais 50 anos, mantém acesa a indústria de duas rodas e eletroeletrônicos da região. A Honda, por exemplo, celebra as 20 milhões de motos em sua fábrica local.

Depois dos holofotes no Salão de Los Angeles em 2010, o Fit EV deixará de ser fabricado. A fraca presença nas vendas levou a Honda a desativar a linha do compacto elétrico. De quebra, o Honda Insight também vai deixar espaço para motores a combustão. Lamentável.

Série 2 ‘M’ no Brasil

Pequeno e bem disposto, o novo BMW M235i chega ao Brasil com carroceria cupê para brigar com
a Mercedes A45 AMG, um hatchback apimentado. Na BMW, 330 cv de potência. Os 100 km/h chegam em 4,8 s na oitava marcha automática, com controles manuais. No pacote, o topo do luxo e performance da marca: R$ 230 mil.

Muito prazer, Novo Tempra

A Fiat prepara uma tacada em CKD (partes semi-montadas) do chinês Viaggio, que será Tempra no Brasil. Vai ser a volta do sedã de maior sucesso na história da Fiat por aqui. Vendeu 204 mil unidades em oito anos, marca nada desprezível. O novo Tempra deriva da plataforma Dart e vai chegar ano que vem para aposentar de vez o Linea.

Fora das trilhas

O Range Rover Sport SVR foi preparado para conquistar o título de SUV mais rápido do mundo. E cumpriu a volta do laço norte de Nurbürgring, Alemanha, em 8 min 14s. Feito para correr, o SVR ganhou mais 40 cv de potência e passou a 550 cv, rodas e pneus especiais.

Você pode gostar