Por O Dia

"Tenho tudo de que preciso. Menos o tempo para ficar com tudo. Preciso de tempo. Então não tenho tudo de que preciso”. Assim, ela sentiu um gosto de nada ao se deitar. Ali tinha tempo. Na cama. Mas todos dormiam. Então continuava sem ter tudo de que precisava. Tudo dormia. Era tarde. E só tinha o tempo vazio. Pois tempo sem tudo não era preciso.

Ficou pensando sobre as pessoas que amava. Ali dormindo. E outras, não tão perto assim. Dormindo em diferentes quartos, cidades, estados e países. Talvez algumas delas estivessem acordadas agora, devido ao fuso-horário. Mas o tempo não era generoso com ela. Não havia como chegar até elas. Foi quando pensou no tempo abstrato de quem já se foi e se pegou levantando da cama para telefonar. Endoidou? Vai ligar pro Além? Além onde, que não sabemos? Melhor tentar dormir, essa falta de sono está fazendo o tempo parecer maior do que é. O tempo da insônia é traiçoeiro.

A vida sobrou ali. Uma só. Mas, com tempo e sem nada, não tem graça. A vida sozinha pouco nos fala. Precisamos de pessoas. Boas, ruins, amadas e odiadas. Elas nos moldam. Elas nos surpreendem. Podemos prever os nossos passos, mas não os dos que passam por nós nas ruas, nem mesmo de quem está debaixo do seu lençol. Beijou o marido, que dormia. Fez cafuné no filho e o admirou por uns minutos. Pensou em contar para os pais a última que ele aprendeu. Mas não dá. Talvez eles estejam vendo. Em outro tempo. De repente, dormiu e acordou sem tempo. Como não conseguiu segurá-lo? Ele estava tão calmo, disponível. Agora, teve que pular da cama e se aprontar logo, para correr com o tempo e ver o que ele proporciona.

Outro dia, encontrou uma forma de ganhar algumas horas: madrugando. Porém, fica a dever ao sono. E o sono cura as almas e regenera os corpos. O sono inimigo do tempo? Não pode ser. Eles têm que ser aliados. Com o passar dos anos, conviviam tão bem, mas uma hora brigaram e era necessário escolher: ou um, ou outro. Ganhar tempo de dia, só acordando mesmo mais cedo. E aproveitando as horas — outras horas — da manhã, de um novo tempo. Tempo de pensar nesse minuto de agora, porque o que passou passou e o que virá virá, pois ele, implacável, não para. Tudo cura, tudo constrói. Ela já não concorda que ele tudo apague, pois a história está escrita.

Cada minuto é único, e quase todos passam sem que se perceba. Passam depressa, assim como os segundos. Eternizá-los é uma conquista. Uma vitória.

E-mail: karlaprado@odia.com.br

Últimas de _legado_Notícia