Preocupação de idosos com a forma é igual à de pessoas mais novas, diz pesquisa

Homens e mulheres se acham acima do peso

Por O Dia

Rio - Olhar-se no espelho e não aprovar a imagem não é gesto apenas de jovens. Idosos também ficam insatisfeitos com o próprio corpo, mesmo quando estão dentro do peso ideal. É o que mostra pesquisa com 14.656 brasileiros, incluindo moradores do Estado do Rio. Assim como ocorre entre os mais novos, na terceira idade, achar-se acima do peso é a principal reclamação, principalmente entre as mulheres. Também é grande o número de senhores que gostariam de um corpo mais ‘musculoso’.

Aos 80 anos%2C Maria da Conceição está de bem com o espelho. Só fez dieta quando jovem e mantém rotina de alongamento e hidroginásticaFernando Souza / Agência O Dia

De acordo com o levantamento, cerca de 30% dos homens e mulheres entre 60 e 75 anos eram eutróficos, ou seja, tinham o peso correto. Apesar disso, entre elas apenas 12,7% estavam satisfeitas com a imagem corporal. E 82% se achavam gordinhas, embora fosse de 67% a taxa das que realmente estavam com sobrepeso ou obesidade. Os homens idosos apresentaram o maior índice de insatisfação devido ao baixo peso: 11,5% queriam ter um físico maior. Nesse grupo, o índice de reclamação foi menor entre os casados, quando comparado ao de solteiros.

Os dados são da dissertação de mestrado ‘Fatores associados com a insatisfação da imagem corporal: resultados da linha de base do ELSA-Brasil’, da professora de Educação Física Liliane da Silva Albuquerque. Os participantes analisaram imagens de silhuetas e responderam com qual figuras se identificavam e quais as que gostariam de parecer. Participaram ainda adultos de 35 a 59 anos.

Uma das explicações para a reação dos idosos é exatamente a mesma para justificar o comportamento entre jovens: a influência da mídia. “Essas insatisfações diferentes entre homens e mulheres idosos, de maneira geral, segue a lógica da mídia, que apresenta corpos extremamente magros para elas e musculosos para eles”, ressalta Liliane, acrescentando que o corpo das pessoas que convivem com idosos, personalidade e relacionamentos também interferem.

Ela alerta que idosos também podem apresentar distúrbios alimentares e comportamentos não saudáveis para alcançarem o corpo desejado.

As causas e os efeitos

Alterações no metabolismo, doença e até perda do companheiro podem interferir no corpo do idoso, segundo a gerontóloga da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontolgogia Glaucia Cristina de Campos. Ela explica que problemas típicos da chegada à terceira idade, como demência, redução do apetite e depressão podem levar ao baixo peso. “Pessoas com Alzheimer podem desenvolver anorexia e ter dificuldade de deglutir, por exemplo”.

Já o sobrepeso, diz Glaucia, pode estar ligado a um processo natural do organismo do idoso de ganho de gordura e redução da massa muscular. “Sedentarismo, erros alimentares com muito consumo de açúcar e gordura também podem levar ao aumento de peso”, explica.

Segundo ela, para resolver as duas questões, normalmente são adotadas dietas específicas, sempre com a preocupação de não afetar a saúde dos idosos.

Atividade física é o segredo

Aos 80 anos, a aposentada Maria da Conceição Silva Pascottini garante que não mudaria nada no corpo. Cinco vezes por semana, ela faz atividade física — alongamento e hidroginástica. Além disso, mantém dieta equilibrada e evita excessos e alimentos que engordam. A aposentada conta que a única vez que fez dieta foi depois do nascimento da primeira filha — ela tem duas, de 45 e 50 anos.

“Gosto muito do meu corpo, me sinto bem e as roupas também caem bem. Na juventude era gordinha e cheguei a pesar 79 quilos, mas consegui perder”, afirma.

Últimas de _legado_Notícia