Consumo consciente: brasileiro reconhece importância mas não pratica

Pesquisa mostra que população está no meio do caminho quando o assunto é colocar em prática o ensinamento

Por O Dia

Rio - Uma pesquisa inédita feita pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pelo portal de educação financeira Meu Bolso Feliz, a partir de um levantamento realizado em todas as capitais do país, mostra que o brasileiro reconhece que as atitudes cotidianas ligadas ao consumo são importantes para a vida em sociedade, mas nem todos praticam individualmente ações neste sentido.

Numa escala de 1 a 10, os entrevistados dão nota média de 8,8 para a importância do tema ‘consumo consciente’, mas em contrapartida, apenas dois (21,8%) em cada dez brasileiros podem ser considerados consumidores plenamente conscientes.

O levantamento mostrou que 74% dos entrevistados realizam as atividades consideradas adequadas para o uso racional da águaFernando Souza / Agência O Dia

Para chegar a este resultado, o SPC Brasil avaliou uma série de questões relacionadas aos hábitos e comportamentos que fazem parte da rotina dos brasileiros e concluiu que 69,3% destas ações são classificadas como ‘conscientes’.

O estudo segmenta os consumidores em três categorias, de acordo com a intensidade da prática dos comportamentos considerados adequados: ‘consumidores conscientes’, que apresentam frequência de atitudes corretas acima de 80%, ‘consumidores em transição’, cuja frequência varia entre 60% e 80% de atitudes adequadas, e ‘consumidores nada ou pouco conscientes’, quando a incidência de comportamentos apropriados não consegue atingir 60%. A pesquisa chegou à conclusão, portanto, que o brasileiro é, em média, um consumidor que está em estado de transição.

“O objetivo do Indicador de Consumo Consciente verificado pela pesquisa é acompanhar, ao longo dos anos, as mudanças nos hábitos de compra e outras ações cotidianas dos brasileiros para compreender se estamos caminhando em direção a uma sociedade capaz de promover e estimular práticas mais equilibradas em todas as relações de consumo”, explica a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.

Segundo dados levantados pela pesquisa%2C 76%2C4% dos entrevistados não utilizam o carro para pequenos deslocamentos dentro das cidades%2C o que ajuda na diminuição da emAlexandre Vieira / Agência O Dia

O levantamento mostrou que 74% dos entrevistados realizam as atividades consideradas adequadas para o uso racional da água, sendo que a ação mais difundida é a de fechar a torneira enquanto escova os dentes (90,4%). Além disso, 76,4% dos entrevistados disseram não utilizar o carro para fazer pequenos deslocamentos dentro das cidades.

Preocupação por faixa etária

O levantamento constatou que os consumidores mais jovens são os que menos adotam práticas adequadas de consumo. O percentual de atitudes corretas, que é de 69,3% para a população em geral, sobe para 74,2% entre os entrevistados com idade acima dos 56 anos e cai para 64,5% entre o universo de consumidores com idades que variam entre os 18 e 29 anos.

“Nota-se que mesmo sendo bem mais informados e instruídos do que pessoas que pertencem às gerações anteriores, os jovens de hoje não praticam atitudes plenamente responsáveis na hora de consumir. Isso pode ser explicado pelo fato de que neste período de vida as pessoas são mais individualistas e preocupadas em atender suas próprias necessidades”, avalia a economista.

“Apesar dos consumidores reconhecerem a importância do consumo responsável, a grande maioria não vê as práticas sustentáveis de consumo como prioridade em seu dia a dia, e ainda predomina a percepção de que os aspectos financeiros são mais importantes, ficando em segundo plano as implicações ambientais e sociais”, avalia o educador financeiro do portal Meu Bolso Feliz, José Vignoli.

Últimas de _legado_Notícia