Por fabio.klotz

Rio - Não há dúvida de que Anthony Pettis é o maior desafio da carreira de Rafael dos Anjos. No entanto, a recíproca é verdadeira. O confronto de estilos promete ser perigoso para o campeão peso leve e é ingrediente que pode fazer o cinturão mudar de lado no UFC 185, neste sábado, em Dallas (EUA). O Combate transmite a partir das 19h15.

Pettis%2C à esquerda%2C e Rafael fizeram encarada tensa após a pesagem do showReprodução Vídeo

Oriundo do taekwondo, Pettis, 28 anos, é lutador completo e campeão ainda em busca de afirmação. Em duelo equilibrado, é importante estar preparado para os detalhes. E, por isso, o casca-grossa do jiu-jítsu Rafael, 30, não quer deixar a decisão para os árbitros. Polêmicas em disputas de título são corriqueiras, vide Johny Hendricks x St. Pierre e Jon Jones x Gustafsson. É preciso sobrar.

“O desafiante tem sempre que ganhar bem. Precisa dominar. Não dá para vencer apertado. Os resultados recentes provam isso e tenho essa consciência. Estou preparado para lutar os 25 minutos, mas digo que vai acabar antes. Não vou deixar na mão de ninguém”, afirma, por telefone.

O papo foi descontraído e esclarecedor. O brasileiro exala confiança. E isso já é bom começo para quem sonha em agarrar o cinturão. Que os anjos digam amém.

Ryan LaFlare sem medo da torcida

O Brasil traz boas recordações a Ryan LaFlare. Os brasileiros, nem tanto. Em 2013, ele venceu Ponzinibbio, em Goiânia, e o que o marcou foram os gritos da galera: “Lembro de ouvir a torcida falar ‘uh, vai morrer’ e achar que eles estavam gritando ‘USA’. Depois fui entender que eles queriam que eu morresse”, diz, sorrindo.

Contra Demian Maia, dia 21, o americano quer mostrar que está bem vivo.

Elas têm a força

O UFC 185 tem seu toque feminino: pelo título peso-palha, Carla Esparza pega Joanna ‘sopa-de-letrinhas’ Jedrzejczyk. Nome impronunciável de uma polonesa durona, que venceu Cláudia Gadelha e quer mais.

Você pode gostar