Por O Dia

Em suas previsões arrojadas, fez lembrar o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega em seus momentos de fé inabalável no controle da inflação e no crescimento do PIB. Nada abalava Mantega, que, como se sabe, pagou caro pela imprevidência e se tornou persona non grata neste início deste segundo mandato de Dilma Rousseff. Tombini, porém, não só se manteve no governo, como tem exibido perfeita harmonia com os demais membros da equipe econômica, Nelson Barbosa, no Planejamento, e Joaquim Levy, na Fazenda. Mas, ao justificar os sacrifícios impostos pelo ajuste fiscal e pelo corte no Orçamento, faz o possível para injetar confiança nos empresários e consumidores. Em plena travessia do deserto, Tombini acena com dias de leite e mel.

O presidente do BC voltou a carregar nas cores de seu cenário futurista. Reafirmou que a inflação deve chegar ao centro da meta de inflação, de 4,5%, até o fim do ano que vem. “Vemos a conversão do centro da meta para dezembro de 2016 e, principalmente, para os anos subsequentes. Para isso, além da eliminação de incertezas que pairavam sobre os preços administrados, o BC continuará a fazer uma política monetária vigilante para que ocorram as ancoragens das expectativas”, explicou.

Segundo ele, 2015 será um ano de transição “para que tenhamos bases mais sólidas para o crescimento sustentável". Tombini também aponta melhora no front externo e se mostra tranquilo em relação à elevação de juros pelo Federal Reserve americano. “Quando esta elevação ocorrer, ela deve ser de forma gradual”, disse, ressaltando que o efeito da alta do dólar será amenizado pelo estímulo monetário do Banco Central Europeu.

Por enquanto, os fatos não animam. Com as expectativas negativas, as vendas no comércio recuaram 0,1% em fevereiro sobre janeiro. Na comparação com fevereiro de 2014, a queda nas vendas foi de 3,1%, a maior desde agosto de 2003. Segundo o IBGE, como reflexo do reajuste dos preços da gasolina e do diesel, o volume de vendas de combustíveis caiu 5,3% em um mês e 10,4% em doze meses. Também são sombrias as projeções que o FMI faz para o Brasil. O relatório “Panorama da Economia Mundial”, divulgado ontem em Washington, adverte que a recessão brasileira ( -1%) vai contaminar o resultado de toda a América do Sul.

Eis o diagnóstico do FMI: “O sentimento do setor privado continua resistentemente fraco, por causa dos desafios de competitividade que não foram enfrentados, o risco de energia e água no médio prazo e os desdobramentos da investigação da Petrobras. A necessidade de um aperto fiscal maior do que o esperado também tem papel na piora das projeções”.

O presente, portanto, recomenda cautela. Mas o futuro, nos garante Alexandre Tombini, será promissor. Por que não acreditar nas profecias do presidente do BC? Afinal de contas, Nostradamus previu que o rei da França, Henrique II (1519-1559), teria morte dolorosa com um ferimento no olho. O marido de Catarina de Médicis foi atingido na viseira num duelo e morreu 10 dias depois. Nostradamus acertou em cheio. Quem sabe a economia brasileira sairá do sufoco em dezembro de 2016?

Últimas de _legado_Notícia