Por O Dia

Rio - Antes de mais nada, preciso declarar que esta coluna não tem fins políticos. Concordar ou discordar de alguém não implica tomar partido. Durante as eleições, fiz questão de manter-me neutra, tanto neste espaço, como nas redes sociais. Não declarar voto é um direito que nos cabe. No mundo virtual, há discussões que, por aqueles caminhos avessos ao diálogo, não valem a pena. A opinião que engrandece não é a do monólogo, é a do diálogo: ouvir, responder e falar, e, com esse exercício contínuo, ir formando opinião. Não é simplesmente cada um dar a sua e pronto.

Isto dito, posso manifestar que penso de forma semelhante ao que foi falado ontem pela presidenta Dilma Rousseff durante lançamento de um pacote de ações de combate à violação de direitos humanos na internet, como a pornografia infantil, discriminação, homofobia, racismo e preconceito contra a mulher. O Pacto Nacional de Enfrentamento às Violações de Direitos Humanos na Internet prevê, entre outras propostas, a criação de uma ouvidoria de direitos humanos online, através do site Humaniza Redes.

Dilma disse ontem que as redes sociais têm sido usadas para publicações de mensagens de discriminação e preconceito e que muitas pessoas pessoas usam a liberdade de expressão para desrespeitar outras.“No Brasil, as redes sociais têm sido palco de manifestações de caráter ofensivo, preconceituoso, discriminatório e de grave intolerância, escondidas no anonimato. Algumas pessoas se sentem à vontade para expressar todo tipo de agressão e mentiras, de ferir a honra e a dignidade de outras”. Segundo o discurso, como extensão da nossa vida real, o mundo virtual também deveria ser regido pelas mesmas regras éticas, comportamentais e de civilidade que nós queremos que ocorram na sociedade, na nossa rotina, e não é isso o que vem ocorrendo. O governo agradeceu ainda a Facebook, Twitter e Google pelo apoio na campanha que pretende garantir mais segurança no ambiente virtual.

Que essa iniciativa consiga mesmo humanizar esse já tão bombardeado planeta paralelo. Que o ser humano, este mal-agradecido pela existência, mostre-se um pouco melhor. Que bom seria se não fossem necessárias medidas assim e que a existência fosse livre de maldades e de mau uso das ferramentas. Mas se não tem remédio, remediado está. Enquanto isso, marco presença, cada vez mais constante, no maravilhoso mundo da fantasia proporcionado pelo Pinterest, a minha rede do momento, com seus mais de 30 bilhões de fotos inspiradoras da beleza da vida. Porque não estamos mais habituados a enxergá-la por aí, mas que ela existe, existe.

E-mail: karlaprado@odia.com.br

Últimas de _legado_Notícia