Observatório Pesqueiro na Ilha Seca quer recuperar espécies ameaçadas na Baía

Proposto há dez anos pela Associação de Pescadores Livres de Tubiacanga, projeto começa a sair do papel, com o apoio da UFRJ, Uerj, Fiocruz, UFF e PUC-Rio

Por O Dia

Rio - Maltratada por décadas, a Baía de Guanabara viu inúmeras espécies desaparecerem. Símbolo da cidade do Rio, integrando até a bandeira do estado, o boto-cinza também está ameaçado de extinção. Na década de 1980, eram cerca de 800. Hoje, não passam de 35. A esperada despoluição, prometida quando o Rio se candidatou à Olimpíada, pouco avançou e, a menos de cinco meses dos Jogos, está mergulhada no jogo de empurra-empurra entre autoridades.

A exploração dos campos do pré-sal trouxe de volta à Baía um forte processo de reindustrialização, o que, segundo pesquisadores, tem ampliado as ‘áreas de exclusão de pesca’, onde milhares de pescadores são proibidos de trabalhar. Além da perda econômica, a expansão da atividade petroleira na Baía aumenta os riscos de acidentes e vazamentos.

A expansão da atividade petroleira na Baía eleva risco de vazamentoDaniel Castelo Branco / Agência O Dia

“Nas praias poluídas da Ilha do Governador e nas águas da Baía é comum encontrarmos tartarugas mortas por causa da poluição e do lixo flutuante”, explica o ambientalista Sergio Ricardo de Lima, do Movimento Baía Viva. “Muitos pescadores, descarnadeiras, marisqueiros e os trabalhadores do mar já não conseguem sobreviver e tirar o sustento da pesca”.

A Baía ganha agora uma nova iniciativa para repovoar suas águas com espécies de peixes, camarão, caranguejos, mexilhões e ajudar os pescadores artesanais. Proposto há dez anos pela Associação de Pescadores Livres de Tubiacanga, o Observatório Pesqueiro começa a sair do papel, com o apoio da UFRJ, Uerj, Fiocruz, UFF e PUC-Rio.

Usada como depósito de combustíveis da petroleira Texaco na década de 50, a Ilha Seca, entre os bairros do Zumbi e Ribeira, na Ilha do Governador, deve se tornar ponto de apoio do Observatório. Um barco parte hoje, às 9h, do Iate Clube Jequiá, em direção à ilha, levando pessoas para conhecer o projeto. A ação também marca o Dia Mundial da Água (22).

Últimas de _legado_Notícia