Por cadu.bruno

O caso José Mayer, que começou com uma questão interna dentro da TV Globo, acaba de chegar à esfera policial. O delegado Rodolfo Waldeck, titular da 32ª DP, área da Taquara (que abrange a área dos Estúdios Globo), convocou a figurinista Suslem Tonani a depor sobre o caso em que foi assediada pelo ator global, dentro do set de gravação, conforme relato da própria em sua carta pública.

Se o caso vai ou não virar um inquérito policial, tudo vai depender do depoimento da Su: "Eu preciso da representação da vítima", disse o delegado à coluna.

Dentro da esfera profissional o caso é tratado como assédio. Já na esfera policial a questão pode vir a ser mais grave. Desde 2009, o código penal brasileiro passou a tratar de maneira mais abrangente o crime de estupro. Na lei anterior, de 1940, era necessária a "conjunção carnal" para ser considerado estupro. Desde 2009, a lei brasileira mudou. Agora, no artigo 213 do código penal brasileiro, gestos que causem constrangimento, como carícias forçadas, poderão ser enquadradas como estupro.

E há uma questão importantíssima nesse caso Jose Mayer: o ator é réu confesso.

Susllen Tonani e José MayerArte%3A O Dia Online


Você pode gostar