Pezão pede 15 dias para apresentar defesa sobre afastamento na OAB-RJ

A entidade já havia anunciado que estudo de como fazer a solicitação

Por O Dia

Segundo a Ordem, motivos não faltam para o impeachment de PezãoFernando Frazão / Agência Brasil

Rio - O governador Luiz Fernando Pezão pediu ontem à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-RJ) um prazo de 15 dias para apresentar defesa sobre o pedido de afastamento dele do Palácio Guanabara. A entidade já havia anunciado o estudo de como fazer a solicitação. Na lista de opções estão: pedir o impeachment só de Pezão ou de Pezão e o vice Francisco Dornelles na Assembleia Legislativa (Alerj); requerer a intervenção federal na Procuradoria-Geral da República ou entrar com uma ação de improbidade administrativa com pedido de afastamento de Pezão na Justiça.

No documento enviado à Ordem, Pezão alegou, desde o anúncio sobre a decisão, que ainda será submetida ao Conselho Seccional, ainda não ter sido notificado. “Não recebi qualquer notificação, intimação ou provocação para apresentar esclarecimentos mínimos sobre extrema medida a ser capitaneada por instituição tão respeitada”, aponta um trecho do pedido de defesa.

Motivos não faltam para o pedido de impeachment, segundo a Ordem, como a falência do estado, a explosão da violência e o sistema de saúde que agoniza . O martelo, agora com o posicionamento de Pezão, só deve ser batido em, no mínimo, 30 dias.

“Isso mostra que o governador reconhece a Ordem como representante da sociedade civil. A ex-presidente Dilma apresentou sua defesa no Conselho Nacional durante o processo de impeachment”, afirmou o presidente da OAB-RJ, Felipe Santa Cruz.  Segundo ele, a entidade vai debater sobre o afastamento de Pezão com a Igreja, sindicatos e conselhos.