Por leo.martinez

Aconteceu na última quarta-feira, 31, na casa de Caetano Veloso e Paula Lavigne, em Ipanema, Zona Sul do Rio, uma reunião entre cerca de 100 artistas e intelectuais afim de encontrar um único discurso entre eles para evitar que, apesar de terem opiniões políticas distintas, jamais podem ser considerados inimigos.

Marcelo Serrado, em seu discurso, lembrou que dia antes viu um meme com fotos sua e de Camila Pitanga em que pareciam rivais, e isso ele nunca admitiria ser na vida. Logo depois, ele e Camila se abraçaram na frente de todos.

Havia um questionamento entre os atores sobre qual seria o posicionamento da classe, já que nem todos concordaram com o pedido de convocação das diretas. Fernanda Torres, por exemplo, questionou a todos: "Mas em caso de convocação de eleições, quem nós vamos apoiar? Eu só confio em três políticos, no (Alessandro) Molón, Randolfe (Rodrigues) e Chico Alencar".

Paula Lavigne interrompia a todos, por diversas vezes, até que Camila Pitanga chamou a atenção da mulher de Caetano, pedindo-a para que deixasse que as pessoas falassem. Ela chegou a questionar "Quem é essa aí?", quando Monica Iozzi se pronunciou. O antropólogo Luis Eduardo Soares foi o mais aplaudido de todos.

Um dos que mais impressionou pelo discurso foi o apresentador Márcio Garcia, que antes era um dos maiores defensores de Aécio Neves. Pelas palavras, Garcia quis demonstrar profundo arrependimento após os escândalos de corrupção que levaram ao afastamento do senador mineiro.

"Foi uma das maiores decepções da minha vida. Foi quase como se eu tivesse pego minha mulher na cama com outro" , disse, para surpresa geral.
No final, os artistas chegaram a um consenso de que ao invés de defender políticos ou mesmo a convocação das diretas, eles iriam subir a hashtag #TemerJamais, com o duplo sentido da primeira palavra, que tanto pode ser uma alusão ao atual presidente quanto ao verbo "temer".

Famosos debatem assuntos políticos do paísReprodução Instragram



Você pode gostar