Por cadu.bruno
Publicado 20/06/2017 12:17 | Atualizado há 3 anos

Em três meses, o Tribunal de Contas do Estado (TCE) devolveu 39 servidores de outros órgãos cedidos à Corte. O que gera a economia mensal de R$ 277.776,42. Nos bastidores, muitos funcionários de carreira sustentam que a meta é sepultar qualquer possibilidade de uma antiga prática, o cabide de emprego.

Mas oficialmente, o tribunal garante que a razão e os critérios adotados foram: pedido do próprio interessado; pedido do órgão de origem; e a reestruturação da Coordenadoria-Geral de Segurança, onde estava lotada a maior parte dos cedidos. Mas novas devoluções devem ocorrer. É que a presidente interina, Marianna Montebello Willeman, determinou abertura de procedimento para que as chefias sejam consultadas sobre o interesse e a necessidade da permanência desse tipo de servidor. O processo está em tramitação.

O pente-fino começou logo depois do afastamento de seis conselheiros e um aposentado por suspeita de envolvimento em corrupção no final de março.

E a tesoura voa

O TCE alega que só com algumas medidas, como o bloqueio das ligações de telefone fixo para DDD, DDI e celulares, repactuação de contratos de terceirização de pessoal, corte na compra de jornais e revistas vai economizar R$6,2 milhões/ano e o objetivo é alcançar R$ 8 milhões/ano.

Você pode gostar