'Não tem jeitinho para a crise', diz desembargador

Evento ‘A Operação Lava Jato e o combate à corrupção e a impunidade’, terá a presença do procurador da República Deltan Dallagnol

Por O Dia

Rio - Presidente do Fórum Permanente de Segurança Pública e Execução Penal da Escola da Magistratura do Rio, Alcides Fonseca Neto diz que não tem jeitinho para a crise provocada por investigações contra desvios de políticos e empresários.

Alcides da Fonseca Neto%2C desembargadorRosane Naylor

A entidade promoverá sexta-feira, das 9h30 às 13h, o evento ‘A Operação Lava Jato e o combate à corrupção e a impunidade’, com a presença do procurador da República Deltan Dallagnol.

Com a palavra - Alcides da Fonseca Neto, desembargador

Nessa crise, como o Judiciário pode julgar sem misturar o político com o jurídico?

O Judiciário está julgando de forma jurídica. É muito complicado separar o político do jurídico. De qualquer maneira, o Judiciário está fazendo o seu papel julgando os crimes.

O avanço do combate à corrupção gera crise?

O combate à corrupção é o que existe de novo. Temos um grupo de instituições que está combatendo a corrupção endêmica, como a Polícia Federal e o Ministério Público Federal. O dinheiro que vai para o ralo da corrupção deixa de ir para Saúde, Educação, Segurança Pública e saneamento básico.

E como sair da crise?

Continuar investigando, processando e condenando. Não tem jeitinho para sair da crise.

Pode haver recuos?

A Lava Jato criou um marco que não permite recuos. No início diziam que era para perseguir o PT, depois o Lula; agora alguém pode falar isso?