Gilmar Mendes solta empresários dos Transportes, mas Marcelo Bretas prende

Jacob Barata Filho e Lélis Teixeira são acusados de envolvimento em pagamento de R$ 200 milhões em propina para políticos e fiscais dos transportes

Por O Dia

Rio - O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu libertar o empresário Jacob Barata Filho, preso no início do mês na Operação Ponto Final. A ação, nova fase da Lava Jato,  investiga pagamento de R$ 200 milhões de propina para políticos e fiscais dos transportes do Rio. Mendes alegou que não há  risco de Barata Filho conspirar contra a ordem pública ou obstruir a investigação. O empresário Lélis Teixeira, presidente da Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor), também ganhou o direito à liberdade, concedido por Mendes. Porém, Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal, decretou a prisão de Barata Filho e Lélis novamente por esquema de corrupção envolvendo a Prefeitura do Rio.   

Segundo o Ministério Público Federal, Barata Filho, quando foi preso,  tinha documentos de investigação, como ordem judicial para a quebra do sigilo bancário dele e de outras dez pessoas, denunciadas na ação por envolvimento em esquema de propina na cúpula dos transportes do Rio.
Mendes substituiu a prisão de Barata Filho por comparecimento periódico à justiça, proibição de contato com os outros investigados e de sair do país. O empresário tem que entregar o passaporte à Polícia Federal. Ele também não pode sair de casa durante a noite e não pode exercer cargo em empresas de ônibus. O empresário é herdeiro de Jacob Barata, empresário conhecido como o "Rei dos Ônibus" no Rio.