'Eu sempre fui a menininha da igreja', diz Thaila Ayala

Em entrevista à coluna, atriz disse que não se incomoda de ser chamada de 'ministra das relações exteriores"

Por O Dia

Thaila Ayala surpreendeu este colunista que vos escreve. O encontro para a entrevista aconteceu em um restaurante carioca. Sua assessora acompanhava a pauta. Thaila, que atualmente vive a vilã Vanessa no longa 'Pica-Pau', falou abertamente sobre Globo, carreira internacional, seu batismo na igreja e seus amores gringos. Permita-se também ser surpreendido com a entrevista a seguir.

Thaila AyalaDivulgação

Quem de fato você pegou Thaila?

Ah, para!

Você não vai falar? Por que? Porque é feio?
Não, não é feio. Mas eu vou fazer uma matéria incrível sobre trabalho!


Por que sair do Brasil?
Eu tinha acabado uma novela. Minha separação (do Paulinho Vilhena) foi muito tensa porque a gente era seguido por paparazzi. Eles me seguiam até a minha casa!

Eu imagino...
Era pra ficar em Nova York três meses e eu fiquei um ano. A primeira vez que eu fui, não sabia uma palavra em inglês. Fui aprender o verbo 'to be'. Eu já tinha morado fora, mas falava tudo errado. O que é pior, inclusive. Aí acabou o ano, voltei pra cá e fiz o 'Rio Heat', uma série gringa. Foi muito difícil porque eu era a única brasileira. Quer dizer, eu e Marcio Garcia, que fez uma participação. Mas eu era a protagonista feminina do filme que era todo em inglês. Filmamos o piloto no Rio e foi muito difícil porque eu tinha um ano de escolinha de inglês e tinha que gravar a protagonista. Eu tinha seis meses para estudar pra isso. Aí viraram nove meses e depois um ano. Então arranjei um agente e fui fazer o primeiro teste para o 'Pica-Pau'.

E como foi lá no teste?
Eu fui muito nervosa e a primeira coisa que fiz foi abraçar, cumprimentar e dar um beijo nas duas produtoras. Lá, eles não fazem isso porque parece que você quer criar uma intimidade que de fato você não tem. Depois que eu fiz, pensei: acabou minha chance aqui então vou fazer o teste mais relaxada.

Você acha que a novela no Brasil está diferente?
Eu sei que existiu uma mudança dentro da Globo. A emissora tinha muitos contratados. Hoje, esse número diminuiu muito. A direção mudou todo o sistema. Além de diminuir os contratados, os que renovaram estão sendo utilizados pra caramba.

 Qual imagem que você acha que as pessoas tem de Thaila?
Bom... Thaila é a pegadora de gringos (risos)

Por causa de uns Leo Dias da vida, né? Te incomoda?
Não... Na verdade, as pessoas me conhecem primeiro por causa da Globo. Ainda tem gente que me chama Marcela, que foi minha personagem em 'Malhação'. Mas isso de 'pegadora de gringos' me incomoda muito. Não pelo fato de falar dos meus afetos porque acho que é uma coisa natural. O problema é eu acho que você está trabalhando tanto e as pessoas só se preocupam com a vida pessoal.

Thaila Ayala exibe boa forma em dia de praiaReprodução Internet

Você postou uma foto recentemente sendo batizada numa igreja evangélica...
A igreja não é evangélica. A gente segue a Bíblia, como a gente segue Cristo.

Onde é a igreja?
Na Barra da Tijuca (zona oeste do Rio).

É boa?
Ah, é boa... Eu sempre fui a menininha da igreja.

Ah, é? Não parece.
É! Sempre fui!

De qual igreja?
Católica. Sempre fui muito católica, fiz catecismo, crisma, participei de grupo jovem...

Então você é uma menina direita?
Sempre fui da igreja. Eu sempre achava a igreja mais próxima de casa e ia. Essa que frequento eu fui apresentada por uma amiga, que me chamava há dois anos para ir e eu nunca tinha ido.

Você dá dinheiro para a igreja?
Amor, nessa igreja nem pedem seu dinheiro. Eu entrei nessa igreja e fiquei um pouco em choque porque era uma quinta-feira, culto de libertação e o pessoal grita bastante. Mesmo assim, fiquei. No final, minha amiga colocou o pastor para fazer uma oração pessoal. Ele colocou a mão na minha cabeça, começou a orar e eu caí de joelhos. Chorei compulsivamente por meia hora e foi a experiência mais louca e linda que eu já tive.

Ele falou alguma coisa que te marcou?
Ele fez uma oração. E desde então eu frequento a igreja.

Você tem fama de temperamental. Você é?
Eu já fui temperamental.

Já foi?
Eu sempre fui muito profissional. Horário é uma coisa que me tira do sério porque eu não atraso. Eu chegava para gravar 'Malhação', que foi a minha primeira novela na Globo, às 7h da manhã. Aí o diretor chega e diz que a cena mudou para as cinco da tarde. Aí eu falava: então eu vou pra casa. E ele não deixava porque se quisesse mudar o horário novamente eu não estaria lá. Eu que não sabia como a emissora funcionava e falava: "você está louco!".

Você acha que exagerou em algum momento?
Acho porque eu não sabia como a casa funcionava. Eu tinha 18 anos...

 E hoje?
Hoje eu tenho um entendimento que não existia antes.

Por que essa Thaila mudou?
Maturidade.

Você quer se que casar de novo?
Sim.

Você e o Paulinho terminaram bem?
Sim, somos amigos. A crise já veio durante a relação, então quando a gente terminou a gente falou: 'já deu, né?'.

Com quem você quer se casar?
Eu não tenho um padrão. Queria um cara bacana para formar uma família.

Você quer uma família?
Eu não queria, sabia? Nunca quis.

E hoje você quer?
Hoje eu quero.

Onde você mora, aliás?
No aeroporto.

A fatura do seu cartão de crédito vai pra onde?
Pro Rio.

Você acha que viver viajando impossibilita alguma coisa?
Nesse momento que eu estou vivendo é difícil ter um relacionamento. No segundo semestre do ano passado eu filmei três longas aqui e dois lá fora.

No 'Pica-Pau' você é a vilã Vanessa. Você gosta de ser vilã?
Na oficina de atores da Globo, o meu primeiro papel foi uma mocinha e foi difícil de fazer. Há vezes que a mocinha acaba sendo um personagem mais engessado, é preciso ter cuidado para não cair num clichê. Eu gosto de fazer vilãs! Elas nos permitem criar mais, possuem mais nuances. Acho que eu prefiro a vilãzinha...

Thaila AyalaReprodução Internet

Você está solteira?
Estou!

Há quanto tempo?
Um ano.

Quem foi seu ultimo namorado?
O Adam (Senn, modelo francês).

Qual foi o último brasileiro que você pegou?
Não quero falar dessa pessoa, querido.

Não quer falar ou não lembra?
Não quero falar.

Te incomoda quando eu escrevo que você é nossa ministra das relações exteriores?
Agora não adianta mais. Agora o Brasil me chama de 'ministra'.

Os gringos são diferentes?
No quesito de 'pegada', o brasileiro vence. Mas os gringos são mais respeitosos, mais parceiros...

Parece que o brasileiro foi criado para trair, não é?
A gente tem uma cultura mais machista. Hoje eu fui tirar umas fotos na Praia da Macumba e os caras paravam o carro para me chamar de 'gostosa'. E olha que eu estava de macacão. Não estava nem de biquíni. Nem viu se eu era gostosa ou não! Passou de carro! No momento, o gringo me atrai mais pensando em família.

Você acha que tem preconceito profissionalmente com você?
Agora não mais. No começo eu senti muito preconceito porque era modelo.